Ir para o conteúdo
No dia 17 de abril de 2013. uma quarta-feira, o caminhão da ciência aportou, com seus módulos interativos, em Mesquita, na Baixada Fluminense. Entre as atrações oferecidas gratuitamente, há o Girotech – um simulador de movimento parecido com o usado para treinar astronautas da Nasa, a bancada de microscopia, a bicicleta geradora, a pilha humana, a miniusina, a casa maquete, os tubos musicais, oficinas e multimídias. O museu itinerante foi montado na área em frente à prefeitura da cidade, situada a 24 quilômetros da capital fluminense.
O projeto é coordenado pelo Museu da Vida/Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz. Em seis anos de existência, o veículo percorreu mais de 60 municípios da região sudeste do país e recebeu público superior a 450 mil pessoas. O projeto Ciência Móvel tem patrocínio da Sanofi e parceria da Fundação Centro de Ciências e Educação Superior à Distância do Estado do Rio de Janeiro (Cecierj) e de Bio-Manguinhos (Fiocruz).

Mais informações no site: www.museudavida.fiocruz.br/cienciamovel

Ciência Móvel em Mesquita
Atividades gratuitas
Dias: de 17 a 20 de abril de 2013
Horários: quarta-feira, das 9h às 12h e das 14h às 17h; quinta-feira, 8h às 12h, das 14h às 17h e das 18h às 20h; sexta-feira, 8h às 12h e das 14h às 17h; sábado, das 8h às 12h.
Endereço: Rua Artur Oliveira Vecchi, nº 120 – Centro.

O Ciência Móvel – Vida e Saúde para Todos iniciou a temporada de viagens 2013-2014 e levou suas atividades para Belford Roxo, no Rio de Janeiro, nos dias 10, 11 e 12 de abril.

Localizado a quase 20 quilômetros da cidade do Rio de Janeiro, o município da Baixada Fluminense recebeu o caminhão da ciência do Museu da Vida com os seus módulos interativos, como o Girotech, a bancada de microscopia, a bicicleta geradora, a pilha humana, a mini-usina, a casa maquete, os tubos musicais, oficinas e multimídia, entre outras atividades de arte e cultura.

Coordenado pelo Museu da Vida, o projeto já percorreu mais de 60 municípios e foi visitado por cerca de 450 mil pessoas, em seis anos de estrada pela região Sudeste do país. Vinculado à Casa de Oswaldo Cruz, unidade técnico-científica da Fiocruz, o projeto conta com patrocínio da Sanofi e de Bio-Manguinhos (unidade da Fiocruz) e parceria da Fundação Centro de Ciências e Educação Superior à Distância do Estado do Rio de Janeiro (Cecierj).

Saiba mais sobre o caminhão da ciência do Museu da Vida: http://www.museudavida.fiocruz.br/cienciamovel

Ciência Móvel em Belford Roxo
Dias: 10 a 12 de abril de 2013
Horários: de 9h à 12h e de 13h30 às 16h30.
Local: Praça Eliaquim Batista, no centro de Belford Roxo/RJ.
O Museu da Vida preparou para o dia 23 de março mais um sábado saboroso dedicado ao chocolate. Nesse dia, preparamos uma atividade que agrega comida e ciência: o Chocolate Científico. O público pode descobrir várias curiosidades sobre essa especial guloseima.

A programação contou com histórias, trilha, vídeos científicos e oficinas sobre o chocolate e com chocolate! As atrações foram voltadas para toda a família.

Chocolate científico
Evento gratuito
Dia: 23 de março de 2013
Horário: de 10h às 16h
Endereço: Museu da Vida, na Av. Brasil, 4365 – Manguinhos – Rio de Janeiro (perto da passarela 6 e dentro do campus da Fiocruz)
Mais informações pelo telefone (21) 2590-6747 ou pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..
Esta página traz notícias relacionadas à exposição O Corpo na Arte Africana e eventos realizados pelo Museu da Vida no âmbito da exposição.

Confira as versões virtuais da exposição O Corpo na Arte Africana, em português e em inglês.

Leia mais sobre a exposição

Confira como foi a temporada da exposição no Museu da Vida

Ciência e arte juntas em evento sobre a África

Itinerância da exposição O Corpo na Arte Africana:

Maceió (AL)

João Pessoa (PB)

Recife (PE)

Quissamã (RJ)

Petrópolis (RJ)
As atividades foram montadas no Colégio Estadual Santo Antônio.


O girotec é um dos equipamentos que o público pode conferir!
Entre 13 e 16 de setembro, o Ciência Móvel estacionou em Xerém, Duque de Caxias, no Rio de Janeiro! Por meio de brincadeiras e experimentos, os visitantes se divertem e podem conhecer alguns conceitos científicos, como o da pilha humana, que convida o participante a fechar um circuito com as próprias mãos e investigar a corrente elétrica gerada.

As atividades foram montadas no Colégio Estadual Santo Antônio. Por lá, a Bancada de microscopia também marcou presença! Nela, o visitante faz uma incrível viagem a um universo microscópico para observar o que normalmente não enxerga a olho nu, como detalhes de plantas e insetos. A diretora Ana Paula Gonçalves avalia que “a parceria com a Fiocruz amplia as perspectivas de milhares de jovens por meio da aproximação com o mundo da ciência”.

Publicado em 16 de setembro de 2016





O projeto Ciência Móvel – Vida e Saúde para Todos visitou o município de Tanguá (RJ), entre os dias 19 e 21 de setembro de 2012. O caminhão da ciência levou seus módulos interativos: Girotech, a bancada de microscopia, a bicicleta geradora, pilha humana, mini-usina, casa maquete, tubos musicais, modelos do ouvido e do olho e a câmera escura.

O projeto é coordenado pelo Museu da Vida desde 2006 e já percorreu nesse período quase 60 municípios do Sudeste, atendendo um público estimado em mais de 400 mil pessoas. Em Tanguá, localizado a 65 quilômetros da capital fluminense e com cerca de 31 mil habitantes, o caminhão ficou na Escola Iasmim Gonzaga Arantes – Rua Vereador Manoel de Macedo, 1.040.

A iniciativa conta com a parceria da Fundação Centro de Ciências e Educação Superior à Distância do Estado do Rio de Janeiro (Cecierj). Para mais informações sobre o projeto Ciência Móvel, clique aqui.
A cooperação com os países do continente africano trouxe um efeito positivo inesperado para a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Além de estabelecer laços nas áreas de educação, pesquisa e saúde, alguns dos pesquisadores brasileiros que participam das missões da Fundação ao continente se apaixonaram pela arte africana e acabaram formando importantes coleções, que serão expostas pela primeira vez ao grande público na mostra O Corpo na Arte Africana.

A exposição, inaugurada no dia 17 de setembro, comemora o sucesso da cooperação Fiocruz-África e marca a aprovação em 2012, pelo Congresso Nacional brasileiro, da abertura do primeiro escritório internacional da Fiocruz, localizado em Maputo, capital de Moçambique.

Corpo e arte

Exposição única, O Corpo na Arte Africana conta com cerca de 140 obras de arte reunidas pelos pesquisadores Wilson Savino, Wim Degrave, Rodrigo Corrêa de Oliveira e Paulo Sabroza. As obras estão divididas em cinco módulos: “Corpo individual & Corpos múltiplos”; “Sexualidade & Maternidade”; “A modificação e a decoração do corpo”; “O corpo na decoração dos objetos”; e “Máscaras como manifestação cultural”.

Para Luisa Massarani, chefe do Museu da Vida, a exposição chama a atenção para a colaboração científica entre o Brasil e países africanos. “Mas buscamos contar esta história de uma forma charmosa e inesperada, tendo como ponto de partida a paixão despertada em pesquisadores brasileiros pela arte africana”, disse. “A mensagem subliminar aqui é que ciência e arte caminham juntas”. “Montar a coleção foi um grande prazer e, agora, poder exibi-la e ajudar na valorização da riquíssima arte africana em nosso país é uma oportunidade incrível”, comenta Savino, um dos colecionadores e curador da exposição.

O módulo “Corpo individual & Corpos múltiplos” mostra que muitas vezes uma estátua não representa um homem ou uma mulher, mas um ser humano completo, com uma parte física e uma parte espiritual. As peças de corpos múltiplos simbolizam a complementaridade dos dois gêneros na reprodução dos humanos e também a cooperação nas atividades humanas, como a agricultura, coleta, pesca ou caça.

Em “Sexualidade & Maternidade”, as peças indicam que a sexualidade entre os povos africanos é bastante associada à fertilidade, o que explica a presença, em diversas etnias, de esculturas simbolizando o “casal primordial”, que teria dado origem a cada linhagem. Já representações associadas à maternidade, abundantes na arte africana, demonstram a importância da fecundidade para a mulher.

O continente africano talvez seja o lugar onde o homem mais utilize o corpo como objeto a ser esculpido, submetendo-o a diversas intervenções perenes ou temporárias. É este o tema do módulo “A modificação e a decoração do corpo”. Algumas dessas intervenções corporais funcionam como marcas de pertencimento a uma tribo, a uma classe ou estão ligadas ao status do indivíduo no grupo.

No módulo “O corpo na decoração dos objetos”, é mostrado que representações humanas em desenhos, entalhes e esculturas ornamentam vários objetos e utensílios africanos, como instrumentos musicais, cetros, mobiliário, portas, cachimbos, colheres e recipientes. Além da decoração, estes objetos especiais dão prestígio ao dono e muitas vezes refletem a posição hierárquica que ele ocupa.

O módulo “Máscaras como manifestação cultural” aborda o significado de algumas máscaras, que, ao cobrirem o corpo humano ou uma de suas partes, transformariam aqueles que as vestem na encarnação de divindades ou ancestrais.

Gisele Catel, historiadora, antropóloga e também curadora da exposição, enaltece a importância e diversidade da arte africana. “Temos objetos de cerca de 50 etnias e cada uma delas é um universo. Como estamos fazendo uma exposição unindo todas elas, optamos pelo diálogo direto da obra de arte com o público. O acervo desta exposição é resultado de milhares de anos de arte. A civilização africana é muito antiga e sua arte é milenar”.

O Corpo na Arte Africana é uma realização da Presidência da Fiocruz, do Museu da Vida/Casa de Oswaldo Cruz e Instituto Oswaldo Cruz, com apoio da Faperj. A mostra ocupa a Sala de Exposições temporárias do Museu da Vida até o início de 2013 e pode ser visitada de terça a sexta, das 9h às 16h30, por grupos agendados. No sábado, a visitação é livre, das 10h às 16h.

Confira a versão virtual em português e em inglês da exposição “O Corpo na Arte Africana”.

O Corpo na Arte Africana
Exposição gratuita
De 17 de setembro de 2012 a 15 de dezembro de 2012
Local: Sala de exposições do Museu da Vida
Visitação: de terça a sexta, das 9h às 16h30, mediante agendamento. No sábado, visitação livre, das 10h às 16h.
Endereço: Av. Brasil, 4365 - Manguinhos - Rio de Janeiro (dentro do campus da Fiocruz e próximo à passarela 6)
Mais informações e agendamento: (21) 2590-6747 e Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..
Foto: Ana Carolina Gonzalez
Inspiradora de incontáveis admiradores ao redor do mundo, a música foi pano de fundo para paixões, descobertas, sensações e muito mais. No dia 15 de setembro de 2012, o público do Museu da Vida se deixou levar pela harmonia do conhecimento, num sábado cheio de atividades relacionadas à música.

A festa contou com apresentações da Filhos da Águia (escola de samba mirim da Portela), das bandas Canto Cego, Troia e Let's Go e dos grupos Música na Calçada e Os Optimistas, entre outros. Quem fez o passeio ao Castelo pôde conferir uma visita teatralizada pela equipe do Ciência em Cena, que apresentou a esquete Na Época de Oswaldo Cruz, com acompanhamento de violino.

Os Contadores de Histórias promoveram uma atividade em conjunto com o Coral Fiocruz e a festa se encerrou com a apresentação do grupo Afrolata. Os visitantes do Museu da Vida puderam participar ainda de oficinas e muitas brincadeiras, num dia em que a ciência foi quem deu o tom!

Clique aqui para ver uma galeria de fotos do evento.
Nossos visitantes se divertiram em um dia cheio de atividades e gostosuras científicas gratuitas, voltadas para públicos de todas as idades. Nosso arraiá teve pescaria de micro-organismos, ciência na cozinha com pratos típicos, contadores de histórias, experimentos e outras brincadeiras. O evento foi realizado dia 27 de julho de 2012, no Parque da Ciência.
Asas pra que te quero - Foto: Waldir Ribeiro
Entre 24 de agosto e 2 de setembro, a diversão rolou solta para os pequenos cinéfilos no FICI – Festival Internacional de Cinema Infantil, que contou em 2012 com a exibição de 100 filmes de 24 países, além de oficinas e debates.
Dia 31 de agosto, a equipe do Museu da Vida participou do festival, levando para a criançada brincadeiras do ciclo de atividades Vida de Inseto. Para curtir nossas atrações gratuitamente, o público foi ao hall dos cinemas do Shopping Downtown, na Barra da Tijuca.

Saiba mais sobre as atividades oferecidas dia 31 de agosto de 2012:

Hora do lanche... dos insetos
Os visitantes participaram da divertida preparação de pratos com grandes especialidades apreciadas por esses animais e entenderam como eles se organizam e de que se alimentam.

Corrida de baratas
Por meio de uma divertida brincadeira, o público descobriu informações sobre esses impressionantes insetos.

Histórias para contar
Literatura, insetos e saúde se misturaram em histórias emocionantes e divertidas. As crianças se emocionaram com a história de duas encantadoras borboletas, numa adaptação do livro "Romeu e Julieta", de Ruth Rocha. Após a história, houve ainda uma oficina de dobraduras.

Asas pra que te quero
Você já notou como há insetos com asas de diferentes tipos? Nesta atividade, o público observou algumas delas em microscópios e explorou as características dos insetos a que pertencem.
Link para o site Invivo
link para o site do explorador mirim
link para o site brasiliana

funcionamento terça a sexta-feira: 9-16h30, sábados: 10h-16h

agendamento de visitas 55 21 3865-2138

Fiocruz, Av. Brasil, 4365 - Manguinhos, Rio de Janeiro| CEP: 21040-900

Copyright © Museu da vida | Casa de Oswaldo Cruz | Fiocruz

museudavida@fiocruz.br

Assessoria de imprensa: divulgacao@coc.fiocruz.br.

O Museu da Vida faz parte de:

abcmc astc redpop ecsite icom

Amigos do Museu da Vida: uma rede de Saúde, ciência e cultura

Johnson & Johnson ibm conheça