Ir para o conteúdo
Nesta sexta, 16 de dezembro, em função da confraternização de fim de ano da Casa de Oswaldo Cruz, o Museu da Vida não abrirá ao público. Informamos que no sábado, dia 17, todas as nossas atividades vão funcionar normalmente. Venha curtir nossos espaços, como o Castelo Mourisco, o Borboletário e o Parque da Ciência. A programação mensal pode ser conferida aqui.

Publicado em 13 de dezembro de 2016
Leia o informativo do Núcleo de Estudos da Divulgação Científica de novembro de 2016!
Desenho vencedor de Vitor Costadella
A maior parte de nosso planeta é água. Mas se sabe ainda muito pouco sobre os mares. Nós, aqui do Museu da Vida, estamos preparando uma exposição para você mergulhar neste mundo. Mas, antes disso, resolvemos fazer o concurso “Os mares do Brasil na ponta do lápis!”, para saber o que crianças de 7 a 12 anos pensam sobre o assunto. Olha que lindeza o resultado!

Recebemos um total de 79 incríveis desenhos, de seis estados: Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.

A comissão julgadora escolheu como vencedor um desenho lindo de Vitor Gabriel Costadella, e concedeu outras 12 menções honrosas para os desenhos de Gabriel Alves de Moraes, Gabriel Passos Paula, Giselle Aubert Costa, Gustavo Bardelli Moreira, Júlia Nogueira Almeida, Letícia Ayres de Aguiar, Lucas Pong ji Su, Matheus Braga de Oliveira, Melissa da Silva Oliveira, Nicole Silva Matos e Rhyan Thor Lima Dias, e Victor Hugo Paulino Marcilio de Brito.

Os desenhos podem ser vistos na galeria "Os mares do Brasil na ponta do lápis!"

Parabéns a todos os participantes!!!!

Atualizado em 21/11/2016
Durante outubro, novembro e dezembro de 2016, o público pôde conferir diversas atividades!


Jogos, experimento de ciência, poesia, música, bate-papo com cientista... o público pôde conferir uma mistura de atividades! 

Para você, o que é vida natural? Pense por alguns segundos. Pensou? Beleza! Agora, o que vem à sua cabeça quando pensa em vida sintética? Não há resposta errada: toda imaginação é válida! Aqui no Museu da Vida, a gente adora essa mistura entre a realidade e a possibilidade. No dia 29 de novembro, rolou o evento “Curto-circuito: natural ou sintético?”, no Espaço Cultural Olho da Rua, em Botafogo, no Rio de Janeiro. 

Imagine uma mistura entre clima de boteco, galeria de arte e atividades para botar a mão na massa. A ideia era trazer o público para refletir sobre a biologia sintética. Você já parou para pensar nessa área? Ela é entendida por muitos cientistas como uma nova fase da engenharia genética, o que possibilita fazer modificações em microrganismos a partir de técnicas diferenciadas, mais baratas e eficazes. Mas essas modificações podem trazer dúvidas e questões éticas, o que é normal. No evento, buscamos provocar reflexão sobre essas questões, de forma descontraída e com bastante música! Quem não foi pôde acompanhar brincadeiras e vídeos pelo Twitter - @museudavida - e Facebook - /museudavida - do MV e pela hashtag oficial do evento: #curtocircuitoMV.

O biólogo Rafael Bento, diretor de conteúdo do ScienceBlogs Brasil; o biólogo molecular Wim Degrave, do Instituto Oswaldo Cruz, da Fiocruz; o biólogo Luiz Bento, do Museu Ciência e Vida; David Ayrolla, do vlog Papo de Primata; e Estêvão Slow, do vlog Canal do Slow, estiveram presentes no animado bate-papo "Conversa Fiada". Essa atividade tinha como objetivo reunir o público em mesas de bar para que ele pudesse conversar com os convidados e dar sua opinião sobre questões relacionadas à biologia sintética. Os convidados também engajaram pessoas por suas redes sociais!

O encontro contou com a parceria do Olho da Rua e do Museu Ciência e Vida, de Caxias, e com apoio do Ecsite (a rede europeia de centros e museus de ciência). 

Atualizado em 30/11/2016




Um homem que adorava observar o céu, desafiou a Igreja Católica e acabou enfrentando a Santa Inquisição. A história de Galileu Galilei ganha vida no palco da Tenda da Ciência Virgínia Schall, aqui no Museu da Vida! Baseada no texto “A vida de Galileu”, do dramaturgo Bertolt Brecht, a peça está em cartaz até 14 de dezembro. A entrada, como sempre, é gratuita!

A montagem no Museu da Vida dialoga com os públicos jovem e adulto. A entrada é gratuita! (Foto: Renato Mangolin)


Matemático, astrônomo e físico italiano nascido em 1564, Galileu, decidido a explorar aspectos desconhecidos do Universo, construiu um telescópio em 1609 com mais capacidade do que os que existiam à época. Manchas solares e os satélites de Júpiter são algumas de suas descobertas. Galileu defendeu a teoria heliocêntrica de Copérnico, segundo a qual o Sol é o centro do Universo e não a Terra, o que o fez ser perseguido pela Igreja Católica. Para fugir da fogueira, teve que negar aquilo em que acreditava.

No palco, elenco e direção buscam inovar a montagem, a fim de contar a história do cientista para o público jovem e adulto. Música e humor são alguns elementos que agitam a peça! “A ciência e o teatro precisam dos jovens: a juventude tem a mudança nos seus hormônios. Essa peça une arte e ciência e isso já vale a aventura de abrir o pano”, afirma Daniel Herz, diretor geral da peça.

A encenação na Tenda da Ciência busca associar a questão do autoritarismo com o episódio que ficou conhecido como Massacre de Manguinhos, quando dez cientistas da Fiocruz tiveram seus direitos políticos cassados e foram forçadamente aposentados durante a ditadura militar. Os cientistas foram proibidos de entrar em seus laboratórios e muito de suas pesquisam foram paralisadas. Em 2016, completam-se 30 anos da reintegração desses pesquisadores, que puderam retornar à Fiocruz após a injustiça que sofreram.

“O texto de Brecht traz uma reflexão sobre a relação entre ciência e sociedade e mostra o compromisso do cientista com a humanidade. Além disso, a história explora o que pode acontecer com a ciência em regimes autoritários”, explica Wanda Hamilton, cientista social, atriz do Museu da Vida e uma das responsáveis pela adaptação do texto original.

Segundo o chefe do Museu, Diego Bevilaqua, a peça discute a relação dos cientistas com a sustentação do autoritarismo ou da democracia e liberdade dentro da sociedade e irá levantar a seguinte questão: por que o cientista deve se aproximar da população? Só conferindo pessoalmente para saber qual será o desfecho dessa história!

A vida de Galileu (de Bertolt Brecht)
Temporada: de 21/9 a 14/12
Duração: 1h20
Local: Tenda da Ciência Virgínia Schall
Dezembro | 6, 7 e 8/12: 10h e 13h30
13 e 14/12: 13h30
Endereço: avenida Brasil, n. 4365, Manguinhos, Campus da Fiocruz, Rio de Janeiro
Informações (21) 2590-6747 | Facebook (/museudavida) | Twitter (@museudavida)


ATENÇÃO: nas apresentações da peça de Galileu aos sábados, haverá distribuição de 120 senhas a partir de 29 de outubro uma hora antes do início de cada espetáculo. É só chegar no Centro de Recepção ;)

Ficha técnica
Direção geral - Daniel Herz
Direção - Daniel Herz e João Marcelo Pallottino
Diretor assistente - Clarissa Kahane
Tradução - Roberto Schwarz
Adaptação do texto – Daniel Herz, Diego Vaz Bevilaqua, Letícia Guimarães e Wanda Hamilton
Consultoria científica - Paulo Henrique Colonese
Elenco - Carol Garcia, Carol Santaroni, Ingra da Rosa, Letícia Guimarães, Lucas Drummond, Pablo Aguilar, Roberto Rodrigues, Sérgio Kauffmann e Tomaz Miranda.
Direção musical e trilha sonora - Leandro Castilho
Cenário - Fernando Mello da Costa
Figurino - Carla Ferraz
Luz - Aurélio de Simoni
Operação de Luz: Lívia Ataíde
Operação de multimídia: Rafael Silvestre
Direção de movimento - Janice Botelho
Programação visual - Alana Moreira
Produção executiva - Mariluci Nascimento
Direção de produção - Geraldo Casadei

Acesse o programa da peça.



As sessões no planetário duram cerca de 40 minutos. Venha comemorar com a gente! (Foto: Roberto Oscar)
Em outubro de 2016, o Ciência Móvel vai comemorar dez anos de estrada. Para dar o pontapé inicial nas comemorações, o caminhão da ciência está preparando sessões especiais no Planetário Digital, no dia 30 de setembro, próxima sexta. Com entrada gratuita, o planetário será montado na Tenda da Ciência Virgínia Schall e vai oferecer duas atividades. Confira abaixo!

Comemorando o equinócio de primavera
Em setembro, ocorre o Equinócio de Primavera no hemisfério sul, marcando a chegada da nova estação. O público poderá conferir o pôr do Sol, as constelações, planetas e astros. Além disso, aprenderá a reconhecer e localizar algumas das estrelas e constelações visíveis neste período.

Para crianças maiores de sete anos
Horários: 9h, 10h, 14h30 e 15h30

Galileu Galilei abalou o céu!
Nesta sessão, os visitantes fazem uma viagem digital no tempo e no espaço. Eles são transportados à cidade de Pádua, nas noites de janeiro do ano de 1610, para acompanhar as observações e descobertas que Galileu fez com seu “tubo óptico” (telescópio). O visitante descobre com os próprios olhos as surpresas que abalaram as concepções de céu no século XVII: uma infinidade de estrelas novas, “estrelas” muito esquisitas em Júpiter, fases em outro planeta, buracos e montanhas gigantescas na Lua... Uma coisa é certa: o céu nunca mais foi o mesmo!

Para maiores de 14 anos
Horários: 11h e 13h30

Curtiu? Em caso de dia ensolarado, há possibilidade de ter observação de manchas solares ao final de cada sessão. Esse é só o esquenta para as comemorações que serão realizadas de 6 a 8 de outubro, aqui no Museu da Vida. No dia 6, o Ciência Móvel vai realizar o Simpósio Internacional de Divulgação Científica em Unidades Móveis, evento com palestras gratuitas que terá transmissão on-line! Além disso, entre 6 e 8 de outubro todas as atividades do Ciência Móvel estarão disponíveis para visitação no Salão de exposições temporárias do Museu da Vida, no prédio da sede. A entrada para a exposição dos módulos será feita pelo foyer do Museu.

Estamos super animados! Partiu dar início às comemorações? Espalhe para os amigos!

Comemorando o equinócio de primavera: às 9h, 10h, 14h30 e 15h30
Galileu Galilei abalou o céu!: às 11h e 13h30
Endereço: avenida Brasil, n. 4365, em Manguinhos, no campus da Fiocruz
Informações: (21) 2590-6747 | Facebook (/museudavida) | Twitter @museudavida)
Entrada: grátis
Duração: cerca de 40 minutos



A trajetória de dez anos de sucesso e intensa atividade do Ciência Móvel será comemorada com programação especial em outubro. O evento “Simpósio Internacional de Divulgação Científica em Unidades Móveis” será realizado no dia 6 e abrirá a programação de atividades, que se estenderá de 6 a 8 de outubro. O evento, gratuito e aberto ao público, não requer inscrição prévia. Haverá transmissão on-line no dia por este link e tradução simultânea.

Entre os palestrantes, o professor britânico Michael Gore, um dos fundadores do Questacon - centro de ciência e tecnologia vinculado à Universidade Nacional Australiana (ANU, na sigla em inglês) – estará presente. O auditório do Museu da Vida sediará o encontro. Além do Simpósio no dia 6, os módulos do Ciência Móvel estarão disponíveis de 6 a 8 de outubro para visitação no Salão de exposições temporárias do Museu da Vida, no prédio da sede. Os visitantes poderão conferir o girotec, bancada de microscopia, planetário digital, modelos do olho humano, entre outros!

Em uma década de atividades, o caminhão da ciência já percorreu 65 mil quilômetros de estradas (Foto: Rachel Nobs)
Em dez anos de estrada, as ações do caminhão da ciência já beneficiaram 750 mil pessoas em quase 90 cidades da região Sudeste carentes de museus e centros culturais. O evento pretende potencializar debates em torno do uso de unidades móveis para ações de divulgação científica com foco na interiorização. De acordo com o Guia de Centros e Museus de Ciência da América Latina e do Caribe (ABCMC), há cerca de 30 iniciativas nacionais que usam unidades móveis para interiorizar as ações de popularização da ciência.

Confira a programação do Simpósio:

09h às 09h30 | Café de boas vindas

09h30 às 10h | Mesa de abertura
Paulo Ernani Gadelha - presidente da Fundação Oswaldo Cruz
Nísia Trindade Lima - vice-presidente de Ensino, Informação e Comunicação da Fiocruz
Paulo Elian - diretor da Casa de Oswaldo Cruz
Diego Bevilaqua - chefe do Museu da Vida
Marcus Soares - coordenador do Ciência Móvel
Susan Stocklmayer - ex-diretora da Australian National Centre for the Public Awareness of Science

10h às 11h30 | Master Class - “Reaching large audiences: science on the road”
Michael Gore – um dos fundadores do Questacon Science Circus, caminhão itinerante da Austrália, e professor adjunto do Australian National Centre for the Public Awareness of Science

11h30 às 12h30 | Debate

13h30 às 15h10 | mesa redonda: “Unidades móveis na popularização da ciência - pesquisas, práticas e sustentabilidade financeira”
Jéssica Norberto - coordenadora da Caravana da Ciência, da Fundação Cecierj
Tânia Costa - coordenadora do Museu Itinerante Ponto UFMG
Luis Donadio - diretor da Sociedade de Promoção da Casa de Oswaldo Cruz
Lais Drezza - gerente de Responsabilidade Corporativa da Sanofi
Jonathan Colombo - gerente de Cidadania Corporativa da IBM Brasil

15h10 às 15h40 | Debate
15h40 às 16h20 | Homenagens
16h20 - Coquetel e encerramento


Compartilhe! Para mais informações, ligue para (21) 3865-2105 ou envie uma mensagem pelo Facebook do Museu (/museudavida). O endereço é avenida Brasil, nº 4365, Manguinhos, campus da Fiocruz, no Rio de Janeiro, próximo à passarela seis.
O Núcleo de Estudos da Divulgação Científica, do Museu da Vida/Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz, e a London School of Economics, do Reino Unido, estão realizando uma enquete com jornalistas brasileiros de ciência e tecnologia.

O objetivo é entender melhor questões como situação profissional, práticas de trabalho e o futuro da profissão de jornalista especializado em ciência e tecnologia.

Os jornalistas podem participar da pesquisa até 31 de outubro. São necessários cerca de dez minutos para preencher o questionário. Para acessar a enquete, basta clicar no link:
https://lse.ut1.qualtrics.com/jfe/form/SV_5znpAduFXkT0OXP 

Dúvidas ou comentário sobre a pesquisa podem ser enviados para o email:
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.


Durante suas andanças e pesquisas por Minas Gerais, Carlos Chagas encontra um casal de sertanejos. A mulher, preocupada, pede logo ao doutor que examine seu marido – há semanas ele apresenta febre, olhos inchados e outros sintomas. Ao examiná-lo, Chagas se preocupa também: o homem está gravemente doente! Mas de quê?

(Foto:Perla Santos)
A investigação feita por Chagas sobre a misteriosa doença que assolava as regiões mais pobres do Brasil é tema de nova esquete teatral apresentada no espaço Biodescoberta do Museu da Vida. Durante o mês de abril de 2011, além de explorar a exposição e seus módulos interativos, os visitantes puderam ter esse encontro com um dos cientistas mais famosos na história do país.

A encenação, batizada de “O que é que ele tem, doutor?” ( ver ficha técnica), é uma adaptação do texto “O barbeiro da Noite”, de Antonio Carlos Soares.
Link para o site Invivo
link para o site do explorador mirim
link para o site brasiliana

funcionamento terça a sexta-feira: 9-16h30, sábados: 10h-16h

agendamento de visitas (0xx21) 25906747

Fiocruz, Av. Brasil, 4365 - Manguinhos, Rio de Janeiro| CEP: 21045-900

Copyright © Museu da vida | Casa de Oswaldo Cruz | Fiocruz

museudavida@fiocruz.br

O Museu da Vida faz parte de:

abcmc astc redpop ecsite icom