Ir para o conteúdo

Obturador de cortina de plano focal  
Material: metal, madeira, tecido, papel (etiqueta)
Fabricante: Thornton-Pickard Ltd. 
Local: Altrincham, Inglaterra
Dimensões: 12,0 x 11,5 x 5,0 cm   

Foto: Flávia Braga

O objeto em foco é um obturador de cortina, do tipo criado por Thornton-Pickard em 1882 e produzido até os anos 1930. O exemplar em destaque possui ainda um diafragma em metal que era fixado à caixa do obturador por meio de parafusos. Esse objeto é parte de uma pequena coleção de itens relacionados a fotografias médico-científicas e ao antigo laboratório fotográfico e cinematográfico do Instituto Oswaldo Cruz.

Funcionamento

O Thornton-Pickard Roller Blind Shutter foi um dos primeiros obturadores de plano focal construídos para serem usados na frente ou logo atrás da lente da câmera. Obturador é o nome dado a uma pequena “janela” que funciona abrindo e fechando no momento do disparo da câmera e que captura a luz que passa através das lentes. O tempo que o obturador passa aberto é o tempo de exposição do filme à luz nas câmeras analógicas - ou do sensor nas câmeras digitais. A variação desse tempo determina a quantidade de luz captada em uma fotografia: quanto mais tempo o obturador permanece aberto, mais luz será captada. 

Nosso objeto é formado por uma cortina de tecido presa a dois eixos de latão e protegida por um chassi de madeira. O eixo direito possui uma coluna interna que é presa ao eixo externo por uma longa mola helicoidal. A tensão na mola pode ser ajustada girando um botão de latão na parte superior da caixa de madeira, e a velocidade do obturador é indicada em um mostrador na parte inferior da caixa. O eixo à esquerda é sólido e possui uma polia e uma roda dentada na parte superior. A polia tem um fio enrolado em volta dela que atravessa a cortina e sai do lado direito da caixa. Quando o fio é puxado, a polia é acionada enrolando a cortina do obturador. Conforme a cortina se move, a luz passa pela abertura na caixa. A cortina completa seu movimento e a abertura é bloqueada novamente.

Anúncio do obturador Thornton-Pickard.


O Instituto Oswaldo Cruz e a fotografia médico-científica

Ao iniciar o século XX, enquanto a ciência experimental avançava no Brasil, a fotografia vivia um período de franca expansão mundial, consolidando-se como ferramenta auxiliar e constitutiva do saber para inúmeras áreas do conhecimento. Além disso, virou atividade permanente nas principais instituições do período, bem como disciplina teórica e prática, útil na formação profissional e no refinamento e educação dos sentidos, característica essencial das observações médica e científica.

No Rio de Janeiro, o Instituto Oswaldo Cruz esteve, desde sua criação, entre as instituições responsáveis pela introdução e prática da fotografia médico-científica no país, ao lado dos Museus Goeldi, Paulista, Nacional e do Observatório Nacional. Para a construção do Instituto, criado em 1900, o cientista Oswaldo Cruz previu uma área no prédio principal, o Castelo Mourisco, para a instalação de um gabinete fotográfico e cinematográfico, embrião dos modernos serviços de fotografia, cinema e vídeo hoje distribuídos nas unidades técnico-científicas da Fiocruz.

Como atestam fotografias de doentes do arquivo histórico do Instituto Oswaldo Cruz, uma sala cercada por grandes janelas envidraçadas no Castelo serviu como estúdio para a tomada de fotografias médicas sob luz natural, ao passo que as atividades de fotomicrografia e as do laboratório cinefotográfico foram instaladas em um andar próximo, em salas sem janelas.

Milhares de fotografias e fotomicrografias foram registradas pelos fotógrafos da instituição, a serviço da saúde e da ciência, e incluíam temas como zoologia médica, entomologia, fisiologia e patologia das doenças tropicais, diagnóstico dos lugares e das populações visitadas pelos cientistas em missões médico-sanitárias etc. Tais imagens constituem um vasto e diversificado acervo visual, atualmente preservado e disponível para consulta pelo Departamento de Arquivo e Documentação da Casa de Oswaldo Cruz.

Laboratório cinefotográfico localizado no Castelo Mourisco, início do século XX. Acervo DAD/COC

 

Para saber mais:
PERES, Michael R. (Editor). Focal Encyclopedia of Photography. Digital Imaging, Theory and Applications, History, and Science. Elsevier/Focal Press, Amsterdam, 2007.

EWINS, Paul. Art photography. Repairing the Thornton Pickard Roller Blind shutter. Disponível em: http://www.paulewins.com/blog/?page_id=78 

INFOESCOLA. Obturador. Disponível em: https://www.infoescola.com/fotografia/obturador/ 

SOARES, Pedro Paulo. Imagens da Ciência. Fiocruz/Casa de Oswaldo Cruz/Museu da Vida, Rio de Janeiro, 2004.

THIELEN, E., ALVES, F. Pires., BENCHIMOL, J., ALBUQUERQUE, M. Brito de., SANTOS, R. A. dos. A ciência a caminho da roça: imagens das expedições científicas do Instituto Oswaldo Cruz ao interior do Brasil entre 1911 e 1913.  Editora Fiocruz, Rio de Janeiro, 1991. 

 

Objeto em Foco é um produto de divulgação do acervo museológico sob a coordenação de Pedro Paulo Soares e Inês Santos Nogueira
Serviço de Museologia - Museu da Vida.

 

Publicado em 05 de abril de 2021

Link para o site Invivo
link para o site do explorador mirim
link para o site brasiliana

funcionamento terça a sexta-feira: 9-16h30, sábados: 10h-16h

agendamento de visitas 55 21 3865-2138

Fiocruz, Av. Brasil, 4365 - Manguinhos, Rio de Janeiro| CEP: 21040-900

Copyright © Museu da vida | Casa de Oswaldo Cruz | Fiocruz

museudavida@fiocruz.br

Assessoria de imprensa: divulgacao@coc.fiocruz.br.

O Museu da Vida faz parte de:

abcmc astc redpop ecsite icom

Amigos do Museu da Vida: uma rede de Saúde, ciência e cultura

Johnson & Johnson ibm conheça