Ir para o conteúdo


 

Informativo do Núcleo de Estudos da Divulgação Científica do Museu da Vida      
Ano XXII - nº. 292. RJ, 6 de outubro de 2022.     

----------------------------------------------------------  

Neste informe: 

Especial Desinformação 
1. As crenças em teorias da conspiração aumentaram ao longo do tempo? 

Leituras 
2. Inequidades no brincar  
3. Orgulho LGBTQIA+ em STEM 
4. Divulgação da ciência baseada em evidências 

Ações 
5. Dia das crianças com ciência, arte e solidariedade 
6. Semana Nacional de C&T na Fiocruz  

Eventos 
7. Museus, ciências e novas mídias
8. Fontes de informação e divulgação científica 
9. Seminário “Museus e Territórios”   

Oportunidades 
10. É ciência ou pseudociência?  
11. Webinário aborda estratégias de engajamento público 


Especial Desinformação 

1. As crenças em teorias da conspiração aumentaram ao longo do tempo? – Tanto nos âmbitos acadêmico e jornalístico, quanto na esfera política e nas conversas do cotidiano, muito se fala que a crença em teorias da conspiração vem se ampliando nos últimos anos, sobretudo ao longo da pandemia de Covid-19. No entanto, poucas evidências científicas já foram fornecidas para sustentar que as crenças nessas teorias, de fato, aumentaram ao longo do tempo. No artigo “Have beliefs in conspiracy theories increased over time?”, publicado em julho na revista Plos One, pesquisadores se debruçaram sobre quatro estudos na busca por preencher essa lacuna. O Estudo 1 investigou a mudança na proporção de americanos que acreditam em 46 teorias da conspiração. O Estudo 2 examinou a mudança na proporção de indivíduos em seis países europeus que acreditam em seis teorias da conspiração. O Estudo 3 rastreou as crenças sobre quais grupos estariam “conspirando contra nós”, enquanto o Estudo 4 rastreou o pensamento conspiratório generalizado nos EUA de 2012 a 2021. Em nenhum caso, porém, foram observadas evidências sistemáticas de um aumento no conspiracionismo. Os pesquisadores reconhecem que “ainda há muito a se descobrir sobre a psicologia das crenças nas teorias da conspiração, bem como os papeis que a comunicação de elite e o ambiente da informação desempenham na promoção dessas crenças”. E recomendam cautela ao soar alarmes sobre “a degeneração da sociedade em uma era de ‘pós-verdade’”. Leia o artigo gratuitamente, em inglês.


Leituras 

2. Inequidades no brincar – A representação da ciência como universo masculino pode ser identificada desde a infância, muitas vezes disseminada nas salas de aula, mas também em casa, nos momentos de lazer. Aos diversos dados já levantados que embasam essa constatação, somam-se os de um estudo recém-publicado na edição corrente da revista História, Ciências, Saúde - Manguinhos. Ao analisar as imagens estampadas nas caixas de kits de química que se popularizaram como brinquedos nos Estados Unidos em meados do século 20, Katya Braghini, pesquisadora da PUC-SP, mostra como essas ilustrações qualificam as representações sobre a predominância do gênero masculino e exclusivamente branco nas formas de ser criança, brincando de cientista, sugerindo estar nele o domínio da técnica e direcionando meninos a uma carreira na química. “Esses conjuntos são carregados de projetos para a infância em seus desenhos e indicam que há machismo contido na retórica histórica da química”, conclui Braghini. Ainda no tema ciência e gênero, o número da revista traz entrevista com Evelyn Fox Keller, professora emérita de história e filosofia das ciências do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). Acesse a edição completa.

3. Orgulho LGBTQIA+ em STEM – Em 28 de junho de 1969, em Nova Iorque (EUA), gays, lésbicas, travestis e drag queens se rebelaram em resposta às ações frequentes de violência policial. A manifestação, conhecida como rebelião de Stonewall, lançou as bases para o movimento contemporâneo LGBTQIA+ (sigla para lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, queer, intersexuais, assexuais e o sinal + para demais identidades). Após décadas, pessoas LGBTQIA+ ainda vivenciam exclusão, discriminação e preconceito, inclusive no campo STEM (ciência, tecnologia, engenharia e matemáticas, na sigla em inglês), como revela o livro The Queer Variable. A publicação, que reúne 40 entrevistas de estudantes e profissionais com identidades de gênero e origens diversas, mostra quantas oportunidades de se fazer ciência são perdidas quando pessoas LGBTQIA+ são desencorajadas de avançar na carreira por suas instituições e lideranças. Apesar das barreiras, a importância de se orgulhar dos avanços e celebrar os sucessos, enfatizada em muitas entrevistas, é um dos aspectos marcantes da obra. Os entrevistados também compartilham experiências positivas, ideias e anseios, com boas sugestões sobre como tornar as organizações mais inclusivas, diversas e respeitosas com todos. Leia o livro, gratuitamente e em inglês.

4. Divulgação da ciência baseada em evidências – Os pesquisadores John C. Besley e Anthony Dudo acabam de publicar o livro Strategic Science Communication: A Guide to Setting the Right Objectives for More Effective Public Engagement. Baseados em evidências produzidas em mais de uma década de estudos na área, os autores propõem 11 princípios que visam tornar a divulgação científica mais eficaz, impulsionando mudanças de comportamento e aumentando a probabilidade do público recorrer à ciência quando confrontado com desafios. Os autores destacam que não basta utilizar as mídias sociais ou empregar táticas provocativas. Segundo eles, é mais importante para o sucesso da ação construir caminhos estratégicos de longo prazo para atingir metas bem articuladas. Alguns dos princípios defendidos são que os divulgadores de ciência devem ser compreendidos como competentes, receptivos, honestos e dispostos a ouvir, além de deixar claro que o objetivo da ação de divulgação é tornar o mundo um lugar melhor. No livro, eles oferecem também sugestões específicas sobre como os profissionais podem avaliar a eficácia de suas comunicações (e, de fato, incluir a avaliação em seus planos desde o início). Veja informações sobre compra no site da editora.

 

Ações 

5. Dia das crianças com ciência, arte e solidariedade – Neste sábado, 8 de outubro, das 10h às 16h, o Museu da Vida Fiocruz comemora o Dia das Crianças com uma programação super especial que inclui atividades ao ar livre, oficinas, contação de histórias, espetáculos teatrais, visita a exposições e diversas atrações para o público infantil. Algumas atividades vão contar também com recursos de tecnologia assistiva (interpretação de libras e audiodescrição). Ciência, arte e diversão farão parte da festa e os visitantes ainda poderão contribuir com a campanha de arrecadação de alimentos não perecíveis para três organizações de Manguinhos e Maré. As atividades são gratuitas e não precisam de agendamento prévio. Confira a programação.  

6. Semana Nacional de C&T na Fiocruz – Após duas edições on-line por conta da pandemia de Covid-19, a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT) na Fiocruz retorna às atividades presenciais! O evento acontecerá entre os dias 17 e 21 de outubro em todas as unidades e escritórios da Fundação em diferentes estados do Brasil. O tema da SNCT 2022 é “Bicentenário da Independência: 200 anos de Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil”. A temática visa refletir sobre a importância da construção de conhecimento para a soberania nacional. Ao mesmo tempo, a Fiocruz celebra os 150 anos do seu patrono, Oswaldo Cruz, comemorando o seu legado para a pesquisa nacional e internacional. Para conferir a programação da SNCT nos diferentes campi da Fiocruz, acesse o site e selecione o seu estado.  

 

Eventos 

7. Museus, ciências e novas mídias – As inscrições estão abertas para o I Simpósio de Museus e Comunicação Pública da Ciência e da Tecnologia no Rio de Janeiro, que acontece em 25 e 26/10, presencialmente, na Casa da Ciência e no Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF). O objetivo é ampliar as discussões sobre museus, comunicação e mídia à luz das mudanças impostas pela pandemia de Covid-19. O evento é gratuito. Inscreva-se.

8. Fontes de informação e divulgação científica – Compreender como jovens buscam e avaliam informações científicas na internet foi o norte do projeto ‘Jovem, ciência e Internet: um estudo qualitativo na França e no Brasil’. Resultados, desafios e metodologias utilizadas em cinco anos de pesquisa serão debatidas em evento presencial em 31/10, das 9h às 16h, no auditório do Museu da Vida Fiocruz. Mais informações em breve no site.

9. Seminário “Museus e Territórios” – Em sua quarta edição, o Seminário de Pesquisa e Prática do Museu da Vida Fiocruz abordará o tema “Museus e Territórios”, apresentando estudos e experiências sobre museologia social, memória e participação social, comunicação e ações formativas com e no território. Em formato presencial, o evento ocorre em 9 e 10/11 no auditório do Museu da Vida Fiocruz e reunirá palestrantes de museus e de comunidades. Saiba mais em breve.
 

Oportunidades 

10. É ciência ou pseudociência? – Curso on-line oferecido pela Universidade de Alberta (Canadá) visa preparar indivíduos para identificar ciência de boa qualidade em meio ao mar de desinformação na área. Com cinco módulos e versão gratuita, pode ser feito no ritmo do aluno, em aproximadamente cinco semanas, contando de cinco a sete horas de estudo por semana. Mais informações em: <https://bit.ly/3fM1U80>. 

11. Webinário aborda estratégias de engajamento público – Em 13/10, às 13h (horário de Londres), acontecerá o webinário “Community Engagement with AMR”, com pesquisadores que discutirão os principais resultados de um estudo piloto que incluiu estratégias de engajamento público em resistência antimicrobiana. Os participantes terão a oportunidade de conhecer as abordagens usadas e os principais resultados sobre a compreensão das comunidades sobre o tema. A inscrição é gratuita. Clique aqui

 

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------    

    

Ciência & Sociedade é o informativo eletrônico do Núcleo de Estudos da Divulgação Científica do Museu da Vida (Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz). Editores de Ciência & Sociedade: Marina Ramalho e Carla Almeida. Redatores: Luís Amorim e Rosicler Neves. Projeto gráfico: Barbara Mello. Informações, sugestões, comentários, críticas etc. são bem-vindos pelo endereço eletrônico Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. Para se inscrever ou cancelar sua assinatura do Ciência & Sociedade, envie um e-mail para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..       
   
* A seção Especial Desinformação é uma iniciativa do projeto “O desafio da desinformação em saúde: compreendendo a recepção para uma melhor divulgação científica”, contemplado pelo Programa Proep 2022, da Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz) e do CNPq.

Link para o site Invivo
link para o site do explorador mirim
link para o site brasiliana

Funcionamento: de terça a sexta, das 9h às 14h30.

Fiocruz: Av. Brasil, 4365, Manguinhos, Rio de Janeiro. CEP: 21040-900

Contato: museudavida@fiocruz.br

Assessoria de imprensa: divulgacao@fiocruz.br.

Copyright © Museu da vida | Casa de Oswaldo Cruz | Fiocruz

conheça