Ir para o conteúdo


Informativo do Núcleo de Estudos da Divulgação Científica do Museu da Vida
Ano XXI - nº. 287. RJ, 6 de maio de 2022.  

----------------------------------------------------------  

Neste informe: 

Especial Desinformação  

1. Negacionismo de A-Z  

Leituras 

2. Trinta anos de um marco da divulgação da ciência 
3. Em busca da equidade na divulgação científica  
4. Na trilha da profissionalização dos mediadores de museus  
5. Reflexões e práticas em mediação  

Ações

6. Portal de divulgação científica é remodelado  

Eventos

7. Mediação em museus de ciência  
8. Webinar debate educação científica  
9. Campus Gutenberg-CosmoCaixa 2022  
10. Webinário gratuito sobre engajamento público em pesquisa  

Oportunidades

11. Uma ideia na cabeça e um apoio do Serrapilheira no bolso 

 

Especial Desinformação  

1. Negacionismo de A-Z – “Realizações coletivas em que práticas de negação transformam-se em formas completamente diferentes de ver o mundo, indo além da recusa da verdade e produzindo outra verdade, que se pretende superior.” Assim o sociólogo José Luiz Ratton define (em parte) o termo “negacionismo” no recém-lançado Dicionário dos Negacionismos no Brasil (Cepe Editora), o qual organizou com o colega José Szwako. A obra conta com 112 verbetes assinados por mais de uma centena de pesquisadores do país e abrange três grandes eixos. Um deles reúne os verbetes relativos a momentos e contextos históricos que são atualmente objeto de disputa, a exemplo da Revolta da Vacina e da Ditadura. Outro eixo diz respeito às instituições e autoridades científicas que produzem ciência e estão igualmente empenhadas em sua defesa, como a Fiocruz e a Academia Brasileira de Ciências. A maior parte do livro, no entanto, é dedicada à diversidade de negacionismos vigentes, entre eles o climático, o histórico e o científico. Diante da falta de definições unívocas para a maior parte dos conceitos que integram a obra, cada verbete é discutido de forma abrangente, com base nos dados e concepções mais aceitos hoje no meio científico. Os autores também oferecem sugestões de leitura e links para outros verbetes relacionados. Trata-se de uma rica ferramenta tanto para quem quer entender quanto para aqueles com interesse em pesquisar um assunto para lá de complexo, marcado por conflitos desenrolados ao redor da ciência. O livro pode ser adquirido no site da editora: <https://bit.ly/3MRGd1C>. Confira o vídeo do lançamento, com participação de Luiz Eduardo Soares e Heloísa Buarque de Almeida (https://bit.ly/3kRvxE0), e entrevista com os organizadores do dicionário concedida ao Nexo (https://bit.ly/39wrx9E). 

 

Leituras 

2. Trinta anos de um marco da divulgação da ciência – Em 1992, era lançado o periódico Public Understanding of Science (PUS), um marco da relevância que o campo da divulgação científica vinha conquistando tanto na Europa quanto globalmente. É uma data a se celebrar! De fato, a publicação acaba de lançar o dossiê comemorativo “30 Years of PUS: Past and Future of ‘Science & Public’ - Scholarship, Social Context, Practice”. Porém, o editorial “Looking back and looking ahead” tem tom contido e relembra as mudanças climáticas, a pandemia de Covid-19 e a guerra da Ucrânia. No texto, o atual editor Hans Peter Peters ressalta que nem sempre a ciência contribui apenas com ideais de humanidade, racionalidade, progresso e cooperação. “Uma proporção significativa dos gastos com pesquisa e desenvolvimento (P&D) vai para aplicações militares, e cientistas e engenheiros contribuem para a guerra, desinformação e supressão de populações”, afirma o editor, acrescentando que artigos submetidos à PUS às vezes refletem de forma insuficiente a inserção social da ciência, enviesados por uma imagem idealizada de ciência pura. O texto, que conta também os bastidores exitosos da revista, se soma a 10 ensaios e seis entrevistas com personagens-chave na história da publicação. O acesso à edição especial é gratuito até 18/05 em: <https://bit.ly/3KKK3Iu>. 

3. Em busca da equidade na divulgação científica – O número de profissionais de divulgação científica experimentando abordagens inclusivas com públicos diversos tem crescido. Na França, por exemplo, educadores do TRACES/Espace des Sciences Pierre-Gilles De Gennes e profissionais da administração penitenciária da região Val-de-Marne apostaram no Tinkering – abordagem baseada no questionamento e em atividades exploratórias do tipo “faça você mesmo” – para criar ações voltadas para detentos. Essa e outras experiências são compartilhadas no artigo “Tinkering for learning, equity, and social inclusion”, publicado na revista Spokes. No texto, sete profissionais de museus e duas professoras de escolas refletem sobre os desafios, as descobertas e o potencial do Tinkering para criar ambientes STEM (ciência, tecnologia, engenharia e matemática, na sigla em inglês) mais equitativos. Na opinião de Maria Karnezou, educadora do Museu Noesis (Grécia), a abordagem permite que cada participante assuma o controle de suas construções e do seu próprio processo de aprendizagem. Acesse o artigo, em inglês, em: <https://bit.ly/3sbVN0b>. 

4. Na trilha da profissionalização dos mediadores de museus – Pesquisadores brasileiros buscaram realizar um diagnóstico de quem são os profissionais que atuam como mediadores em espaços científico-culturais do país. Para a coleta de dados, foi realizada uma enquete on-line, com 42 perguntas fechadas e abertas, respondida por 298 pessoas de 87 instituições distribuídas por 16 estados e Distrito Federal. Os resultados, sistematizados no artigo “Mediadores em museus de ciência: um estudo sobre profissionais que atuam no Brasil”, publicado na revista Actio: Docência em Ciências, indicam que a maioria dos profissionais que responderam à enquete é jovem, tendo entre 20 e 29 anos, de sexo feminino, com graduação ou ensino médio completo e com até dois anos de experiência na área. Uma boa notícia é que os dados mostram um avanço na capacitação profissional, com 90% dos respondentes afirmando ter recebido capacitação inicial na área e 70% respondendo que estão buscando maior capacitação em divulgação científica, seja frequentando eventos e palestras ou seguindo uma formação acadêmica, em cursos de pós-graduação. Por outro lado, os vínculos empregatícios ainda são vulneráveis, como sinalizado por 66,2% dos entrevistados. O artigo completo pode ser acessado em: <https://bit.ly/3LYoqWE>. 

5. Reflexões e práticas em mediação – Lançado em 4 de maio e fruto de uma reunião de autores de diversos países ibero-americanos, o livro Mediación en museos y centros de ciencia iberoamericanos: reflexiones y guías prácticas traz discussões sobre os museus de ciências em uma perspectiva mundial e seu papel histórico, com um olhar sobre os centros interativos de ciência ibero-americanos. A publicação reúne também um guia prático com onze capítulos que ajudam com conselhos sobre como abordar diferentes temas, como controvérsias, questões de gênero na divulgação científica e acessibilidade. A obra inclui ainda discussões sobre a interação o público nos museus de ciências e especificidades de diferentes públicos, como primeira infância, famílias e adolescentes; como pensar a mediação para a autonomia do visitante dos museus de ciências e atividades teatrais; e ainda aborda os temas da avaliação das atividades e sustentabilidade econômica. Mais informações em: <https://bit.ly/3kOFXV0>. 

 

Ações 

6. Portal de divulgação científica é remodelado – O Invivo, portal de divulgação científica da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) voltado para educadores e alunos, está de cara nova. Lançado em 2002 pelo Museu da Vida, o canal acaba de ser relançado com novo layout e novos conteúdos, como artigos, notícias e entrevistas, distribuídos em seis editorias: Biodiversidade, Ciência e Tecnologia, Saúde, História, Sustentabilidade e Experimente. Neste último campo, é possível encontrar ainda textos e materiais audiovisuais – em breve, contará também com vídeos – com o passo a passo para a realização de experiências. Embora criado com foco na comunidade escolar, o Invivo também se destina ao público em geral e seu conteúdo é desenvolvido por educadores e pesquisadores da Fiocruz. Acesse em: <http://www.invivo.fiocruz.br/>.  

 

Eventos 

7. Mediação em museus de ciência – Nos dias 17 e 18/05, ocorrerá o encontro “El poder de los museos: mediación pedagógica en espacios y museos de ciências” na Biblioteca Nacional do Peru (Lima), com transmissão on-line. O evento gratuito visa ser um espaço de diálogo sobre a importância da mediação, acessibilidade e inclusão em museus e centros de ciência. Interessados nas modalidades presencial ou virtual devem se inscrever no site do encontro. Mais informações em: <https://bit.ly/3LPcFSg>. 

8. Webinar debate educação científica – No dia 19/05, às 10h, o British Council realiza o evento on-line e gratuito "Educação Científica nas Escolas: conexões entre Brasil e Reino Unido", com uma roda de conversa que vai discutir iniciativas voltadas para tornar o ensino de ciências mais dinâmico e inclusivo. Serão tratados temas como ciência cidadã, pedagogias críticas, decolonialidade, racismo, capital científico e comunicação. As inscrições, quando abertas, poderão ser feitas em: <https://bit.ly/3MZ6nzF>. 

9. Campus Gutenberg-CosmoCaixa 2022 – A convocatória de propostas de atividades para compor o programa do Campus Gutenberg-CosmoCaixa 2022 está aberta até 15/05. O evento acontecerá nos dias 19 e 20/09, em formato híbrido, com a parte presencial realizada no centro interativo de ciências CosmoCaixa, em Barcelona. O tema central dessa edição é "Comunicación y divulgación científica para la paz". Mais informações em: <https://bit.ly/3vP73ld>. 

10. Webinário gratuito sobre engajamento público em pesquisa – A plataforma global ARCH hub realizará o webinário on-line “Community Engagement Within Research Uptake” sobre resistência microbiana. Especialistas compartilharão reflexões sobre o uso de processos participativos e deliberativos para o engajamento público e a formulação de políticas inclusivas sobre o tema. O webinário ocorrerá em dois dias, 12 e 19/05, às 11h (GMT+1). Inscrição e programação em: <https://bit.ly/3KNy7Ws>. 

 

Oportunidades 

11. Uma ideia na cabeça e um apoio do Serrapilheira no bolso – O Programa de Divulgação Científica do Instituto Serrapilheira oferece apoio a projetos profissionais de jornalismo e mídias com um olhar curioso e provocativo sobre a ciência, incluindo não apenas jornais, televisão e rádio, mas também meios digitais e plataformas de entretenimento. Não há abertura de editais anuais; a submissão de propostas pode ser realizada a qualquer momento do ano. Informações em: <https://bit.ly/3kNtEII>. 

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 

Ciência & Sociedade é o informativo eletrônico do Núcleo de Estudos da Divulgação Científica do Museu da Vida (Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz). Editores de Ciência & Sociedade: Marina Ramalho e Carla Almeida. Redatores: Luís Amorim e Rosicler Neves. Projeto gráfico: Barbara Mello. Informações, sugestões, comentários, críticas etc. são bem-vindos pelo endereço eletrônico <Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.>. Para se inscrever ou cancelar sua assinatura do Ciência & Sociedade, envie um e-mail para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

*A seção Especial Desinformação é uma iniciativa do projeto “O desafio da desinformação em saúde: compreendendo a recepção para uma melhor divulgação científica”, contemplado pelo Programa Proep 2022, da Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz) e do CNPq.  

Link para o site Invivo
link para o site do explorador mirim
link para o site brasiliana

Funcionamento: de terça a sexta, das 9h às 14h30.

Fiocruz: Av. Brasil, 4365, Manguinhos, Rio de Janeiro. CEP: 21040-900

Contato: museudavida@fiocruz.br

Assessoria de imprensa: divulgacao@fiocruz.br.

Copyright © Museu da vida | Casa de Oswaldo Cruz | Fiocruz

conheça