Ir para o conteúdo

Você sabia que temos, no Brasil, um Dia do Hospital? Sim, isso mesmo! A data é sempre comemorada no 2 de julho. Como ainda estamos no mês dessa efeméride, vamos aproveitar a oportunidade para apresentar um objeto muito comum em diversos hospitais. Olhando a primeira foto deste texto, diga lá: você estranha o formato e os materiais? A maca hospitalar do acervo do Museu da Vida, feita de madeira e palhinha trançada, mais lembra um objeto de decoração!

As macas são extremamente úteis para que os profissionais das equipes médica e de enfermagem possam acomodar o paciente da maneira mais confortável possível. São encontradas nas salas de emergência por serem leves e dobráveis. Com elas, os pacientes podem ser examinados ou levados com facilidade para as salas de procedimentos clínicos, cirúrgicos e até mesmo para ambulâncias.

No início do século XX, o mobiliário hospitalar era feito com materiais diferentes dos usados hoje. Questões importantes, como a assepsia, ainda não tinham os protocolos atuais. Desta forma, era possível caprichar em materiais e elementos estéticos mesmo em ambientes funcionais como os hospitais. Atualmente, o mobiliário hospitalar é pensado para suportar peso e ser facilmente higienizado.

Construção do Hospital de Manguinhos em 1912. Ao fundo, observa-se o Castelo Mourisco e as primeiras construções do campus. Foto: J. Pinto. Acervo: Departamento de Arquivo e Documentação – COC/Fiocruz.

O equipamento pertenceu ao Hospital Oswaldo Cruz, ou Hospital de Manguinhos, construído no campus da Fundação Oswaldo Cruz. O hospital foi construído graças aos anseios de Oswaldo Cruz em modernizar os hospitais de isolamento da Diretoria Geral de Saúde Pública, o que seria equivalente, hoje, ao Ministério da Saúde. Nas primeiras décadas do século passado, diversas doenças faziam parte das preocupações das autoridades sanitárias, como as epidemias urbanas e rurais.

O novo hospital estaria de acordo com os princípios da higiene moderna, com inspiração no Hospital Pasteur de Paris. A ideia era que a assistência ambulatorial, as internações e os cuidados médicos estivessem atrelados às finalidades científicas, como pesquisa e experimentos resultantes das expedições realizadas pelo Instituto Oswaldo Cruz no interior do Brasil.

Carlos Chagas, pacientes e a comissão designada pela Academia Nacional de Medicina para avaliar os estudos sobre a doença de Chagas na escadaria do hospital. Imagem: Departamento de Arquivo e Documentação – COC/Fiocruz

O hospital dedicou-se ao atendimento de pacientes e às pesquisas de enfermidades, como doença de Chagas, parasitoses intestinais, malária, bouba, sífilis, leishmaniose, tuberculose, febre tifoide, pneumonia e elefantíase. A partir de 1925, o médico Evandro Chagas, filho de Carlos Chagas, sucessor de Oswaldo Cruz na direção do instituto, passou a ser o responsável pelos setores de radiologia e cardiologia do hospital, onde desenvolveu pesquisas clínicas em doença de Chagas e malária, apresentando o resultado desses estudos em congressos nacionais e internacionais com a colaboração de outros cientistas.

Em 1940, com a morte prematura de Evandro Chagas, o Hospital de Manguinhos recebeu o nome de Hospital Evandro Chagas, em homenagem a um dos grandes entusiastas da pesquisa clínica na instituição. Ao longo de sua trajetória, o hospital recebeu várias denominações. Foi chamado de Hospital de Doenças Tropicais, Centro de Pesquisa Clínica Hospital Evandro Chagas, Instituto de Pesquisa Clínica Evandro Chagas e, desde 2010, chama-se Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI).

Fachada do Instituto Nacional de Infectologia (INI). Foto: Peter Ilicciev

O INI mantém a sua tradição de pensar a pesquisa e a clínica das doenças infecciosas e parasitárias de forma sistemática. Esta visão foi necessária para o enfretamento de epidemias do passado e as atuais, como o HIV (Aids) e a pandemia de Covid-19.

Informações técnicas sobre o objeto
Maca fixa usada em atendimento hospitalar
Material: madeira, palhinha e ferro
Local: Brasil
Dimensões: 1,90 x 0,83 x 0,59 m

 

Outras leituras

1)100 anos do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI) da Fiocruz

https://youtu.be/M_TeqxVlF2M

2)GUIMARÃES, Maria Regina Cotrim. Fontes para uma história do Hospital de Manguinhos. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.26, n.4, out.-dez. 2019, p.1223-1234.

3)NASCIMENTO, Dilene Raimundo do. Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas: centenário da construção da pesquisa clínica em Manguinhos. Brasiliana Fotográfica, 21 dez. 2018. Disponível em: https://brasilianafotografica.bn.gov.br/?p=13693

 

Créditos

Objeto em Foco é um produto de divulgação do acervo museológico sob a coordenação de Pedro Paulo Soares e Inês Santos Nogueira
Serviço de Museologia - Museu da Vida

Publicado em 13 de julho de 2021

Link para o site Invivo
link para o site do explorador mirim
link para o site brasiliana

funcionamento: Estamos fechados devido à pandemia. Siga-nos nas redes sociais!

Fiocruz, Av. Brasil, 4365 - Manguinhos, Rio de Janeiro| CEP: 21040-900

Copyright © Museu da vida | Casa de Oswaldo Cruz | Fiocruz

museudavida@fiocruz.br

Assessoria de imprensa: divulgacao@coc.fiocruz.br.

O Museu da Vida faz parte de:

abcmc astc redpop ecsite icom

Amigos do Museu da Vida: uma rede de Saúde, ciência e cultura

Ternium Johnson & Johnson ibm conheça