Ir para o conteúdo

Informativo do Núcleo de Estudos da Divulgação Científica do Museu da Vida 

Ano XX - nº. 281. RJ, 8 de novembro de 2021. 

----------------------------------------------------------

Neste informe:  

Destaque  

1. Afinal, o que é cobrir ciência? 

Leituras  

2. Museologia e patrimônio  

3. A divulgação científica pratica o que prega? 

4. Precisamos falar sobre mudanças climáticas, mas com cuidado  

Ações  

5. Websérie promove a coexistência de saberes  

6. Por que tanta gente desistiu da ciência? 

Eventos 

7. Comunicação e saúde  

8. Evento discute pesquisa mais inclusiva 

Oportunidades  

9. Prorrogadas inscrições para mestrado em divulgação científica!  

10. Pesquisa em equidade e inclusão  

11. Filmes sobre saúde  

 

Destaque  

1. Afinal, o que é cobrir ciência? – Como já discutimos por aqui, a pandemia de Covid-19 trouxe uma série de oportunidades e desafios para a divulgação científica e o jornalismo de ciência. Mas talvez a lição mais importante seja que para divulgar e cobrir bem assuntos científicos é preciso ir muito além da ciência. Ed Yong levanta a questão na introdução do livro The Best American Science And Nature Writing 2021, do qual é coeditor. No texto, o experiente jornalista de ciência britânico, vencedor do Prêmio Pulitzer na categoria “cobertura explicativa” com uma série sobre a pandemia, fala sobre como nem uma grande experiência no jornalismo científico nem um profundo conhecimento biomédico são suficientes para garantir uma boa cobertura do tema, dada a multiplicidade de aspectos a que ele está relacionado. Por exemplo: para entender por que os Estados Unidos se saíram tão mal no combate a Covid-19, apesar de sua riqueza e expertise, é preciso entender muito mais do que virologia e epidemiologia. E raramente o jornalista de ciência compreende esse contexto mais amplo. Mas Yong decidiu que para cobrir a pandemia era necessário o esforço. Em vez de se concentrar nas publicações científicas, que muitas vezes se contradizem e acabam gerando confusão, o jornalista preferiu investir em matérias menos factuais e mais contextuais, buscando oferecer um panorama mais amplo e completo a seus leitores. Para isso, entrevistou, além de virologistas e epidemiologistas, sociólogos, antropólogos, historiadores, pacientes, entre outras fontes. Segundo o jornalista, a Covid-19 evidenciou que a ciência é inseparável do resto da sociedade – “a ciência implica tudo e tudo implica a ciência” –, de modo que se tornou difícil definir o que é cobrir ciência. Parte do texto de Yong está disponível em: <https://bit.ly/31L58ln>. 

 

Leituras  

2. Museologia e patrimônio – O Museu de Astronomia e Ciências Afins (Mast) e o Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UniRio) acabam de lançar a segunda edição de 2021 da Revista Eletrônica Museologia e Patrimônio. Um dos artigos desta edição apresenta um panorama dos aquários públicos da cidade do Rio de Janeiro a partir de material recolhido na hemeroteca da Biblioteca Nacional. Outro busca estudar a experiência de jovens adultos na exposição “Gondwana: a Terra em movimento”, do Museu da Geodiversidade da UFRJ. Já na seção de relatos de experiência, um dos textos propõe uma discussão sobre como podemos conhecer a prática da educação museal no Brasil em tempos de pandemia de Covid-19. Outro debate o processo de musealização das coleções do museu virtual do Instituto de Física da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A revista é aberta e pode ser acessada em: <https://bit.ly/3BW1CAL>. 

3. A divulgação científica pratica o que prega? – A atenção dada às questões de equidade, diversidade e inclusão na divulgação científica aumentou drasticamente nos últimos 10 anos, entretanto, não é distribuída de forma equitativa entre grupos historicamente excluídos. Este é um dos resultados do estudo “A Systematic Map of Inclusion, Equity and Diversity in Science Communication Research: Do We Practice what We Preach?”, recém-publicado na revista Frontiers in Communication. A partir da análise da literatura acadêmica publicada em inglês e revisada por pares, a pesquisa buscou mapear como o campo da divulgação científica incorporou os princípios da inclusão e equidade em suas atividades práticas e de pesquisa nos últimos 40 anos. Poucos estudos com imigrantes, religiosos e a população LGBTQIA sugerem que esses grupos têm sido negligenciados como foco de pesquisa e público-alvo de atividades na área. A análise também destaca o número pequeno de iniciativas que consideram as audiências sob múltiplos fatores, como gênero, nível socioeconômico e grupo cultural – estudos e iniciativas para meninas e mulheres com foco somente no gênero, por exemplo, são recorrentes. O artigo está disponível em: <https://bit.ly/3mRumXe>. 

4. Precisamos falar sobre mudanças climáticas, mas com cuidado – Não, o aquecimento global não é uma controvérsia científica, não é este o cuidado que devemos tomar ao abordar o tema. A interessante questão levantada pela pesquisadora do clima Hannah Ritchie na revista Wired é sobre a comunicação do problema. No artigo “Stop Telling Kids They’ll Die From Climate Change”, a cientista destaca que a mudança do clima é um dos maiores problemas que enfrentamos e que não estamos nos movendo nem perto de rápido o suficiente para reduzir as emissões. Ela argumenta, porém, que nenhum dos colegas em que confia desistiu do futuro. “A maioria deles tem filhos. (...) Isso sinaliza que aqueles que passam dia após dia estudando as mudanças climáticas estão otimistas de que seus filhos terão uma vida que valha a pena ser vivida”, defende. Segundo ela, é preciso uma nova mensagem sobre as mudanças climáticas, que impulsione “a ação por meio do otimismo de que as coisas podem ser melhores”. Assim, devemos “parar de dizer aos nossos filhos que eles vão morrer devido às mudanças climáticas. Não é apenas cruel; pode realmente tornar mais provável que isso aconteça”. O texto está disponível, em inglês, em: <https://bit.ly/3qqcWmu>. 

 

Ações  

5. Websérie promove a coexistência de saberes – Em 2018 e 2019, o evento “Encontro Selvagem: ciclo de estudos sobre a vida”, idealizado por Anna Dantes e mediado pelo líder indígena Ailton Krenak, promoveu diálogos entre o conhecimento científico e os saberes populares indígenas com a participação de diversos pensadores. Em maio deste ano, no âmbito do ciclo de estudos, foi lançada a websérie “Flecha selvagem”, que busca promover visões plurais da vida e do mundo para um público mais amplo. O primeiro episódio, ‘A serpente e a canoa’, aborda a criação do mundo e o surgimento da vida na Terra. Serão, ao todo, seis vídeos curtos, além dos “Cadernos selvagens”, materiais gratuitos com informações adicionais relacionadas ao tema. Confira os vídeos em: <https://bit.ly/3kjjBeF>. Para baixar os cadernos, acesse: <https://bit.ly/3bPIn14>.  

6. Por que tanta gente desistiu da ciência? – The Compass, o podcast da BBC sobre sociedade, política e meio ambiente, explora, em uma minissérie de quatro episódios, casos recentes de estranhamento entre ciência e sociedade. Intitulada “The Public Misunderstanding of Science”, a minissérie é conduzida pela jornalista de ciência Sue Nelson, que se une a jornalistas de outras localidades e ouve especialistas de diversas áreas para jogar luz sobre questões para lá de complexas. O episódio de abertura aborda a crise de confiança na ciência em tempos de pandemia. Nos demais episódios, Sue Nelson discute a origem das teorias da conspiração, a rápida e controversa penetração da inteligência artificial em nossas vidas e, por fim, a importância e qualidade do ensino de ciência, onde talvez esteja a raiz de muitos estranhamentos entre ciência e sociedade. Confira em: <https://bbc.in/3o6VNvE>.    

 

Eventos 

7. Comunicação e saúde – O 4º Encontro Virtual de Divulgação Científica da Fiocruz terá como tema a Comunicação Pública na Saúde e acontece em 12/11, às 10h, tendo como convidados: Elisa Andries, da Fiocruz; Felipe Calheiros, da TVE Bahia; Rogério Lannes, da Revista Radis; e Raquel Aguiar, do Instituto Oswaldo Cruz/Fiocruz. Sem inscrição prévia e com tradução simultânea em libras, o evento será transmitido pelo canal do YouTube da VideoSaúde: <https://bit.ly/3qiIdrQ>. 

8. Evento discute pesquisa mais inclusiva – A pesquisa em colaboração com membros da sociedade é o foco do workshop “Institutional Barriers and Incentives for Engaged Research”, que ocorrerá em 12/11. O evento, online e gratuito, abordará exemplos, modelos e formas de desenvolver estudos mais inclusivos, além de debater as barreiras e oportunidades para ampliar essas iniciativas. Inscrição em: <https://bit.ly/3bTqcrn>.  

 

Oportunidades  

9. Prorrogadas inscrições para mestrado em divulgação científica! – Encerram em 14/11 as inscrições para a turma 2022 do Mestrado Acadêmico em Divulgação da Ciência, Tecnologia e Saúde, da Casa de Oswaldo Cruz, Fiocruz. A data da prova online, também prorrogada, será 19/11. Acesse o novo calendário em: <https://bit.ly/3BNSiyZ>. Confira o edital completo em: <https://bit.ly/3wj4jv6>.  

10. Pesquisa em equidade e inclusão – A Cornell University (Estados Unidos) busca doutores para realizarem atividades de pesquisa, ensino e divulgação sobre os desafios enfrentados por identidades marginalizadas. Até cinco candidatos serão contratados como professor-assistente por nove meses em tempo integral, com início em 2022. As inscrições se encerram em 31/12. Mais informações em: <https://bit.ly/3GYLkLl>. 

11. Filmes sobre saúde – A Organização Mundial de Saúde promove a terceira edição de sua iniciativa anual para incentivar e chamar a atenção de novos produtores e diretores de filmes e vídeos curtos sobre questões de saúde global. As inscrições para o Festival de Cinema Saúde para Todos de 2022 estão abertas até 30 de janeiro de 2022. Mais informações em: <https://bit.ly/3oc7iSm>.  


-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------  

Ciência & Sociedade é o informativo eletrônico do Núcleo de Estudos da Divulgação Científica do Museu da Vida (Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz). Editores de Ciência & Sociedade: Marina Ramalho e Carla Almeida. Redatores: Luís Amorim e Rosicler Neves. Projeto gráfico: Barbara Mello. Informações, sugestões, comentários, críticas etc. são bem-vindos pelo endereço eletrônico <Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.>. Para se inscrever ou cancelar sua assinatura do Ciência & Sociedade, envie um e-mail para <Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.>. 

 

Link para o site Invivo
link para o site do explorador mirim
link para o site brasiliana

funcionamento: Estamos fechados devido à pandemia. Siga-nos nas redes sociais!

Fiocruz, Av. Brasil, 4365 - Manguinhos, Rio de Janeiro| CEP: 21040-900

Copyright © Museu da vida | Casa de Oswaldo Cruz | Fiocruz

museudavida@fiocruz.br

Assessoria de imprensa: divulgacao@coc.fiocruz.br.

conheça