Ir para o conteúdo

Compartilhe

Facebook Twitter Imprimir
No Campo de São Domingos, é possível encontrar mais de 26 espécies de sempre-vivas.

Após uma noite estrelada e relativamente amena, amanhece no Campo de São Domingos, região onde se localiza a base de apoio do Parque Nacional das Sempre-Vivas. Numa casa com energia gerada por um sistema solar-eólico, brigadistas, pesquisadores, analistas ambientais e outros profissionais despertam para mais um dia de trabalho em campo. Para a equipe do projeto Parques do Brasil é o quinto e último dia de expedição. A base está localizada num imenso planalto quase plano, coberto por campos rupestres. Ao longe, é possível observar cumes de montanhas e alguns capões de mata. Nos arredores, encontramos um jardim natural de incrível beleza e diversidade biológica, onde mais de 26 espécies de sempre-vivas são encontradas.

Com a transformação dos campos de sempre-vivas em áreas de pastagem para gado bovino e em plantio de eucalipto, muitas espécies já foram extintas ou se tornaram raras fora da unidade de conservação. Outros fatores também contribuem, como o excesso de coleta das sempre-vivas e incêndios constantes. Essa realidade torna o parque um banco genético de fundamental importância para a conservação e estudo dessas plantas que guardam ainda inúmeros segredos. Em meio ao campo, encontramos a nascente do rio Jequitaí, apresentando no seu entorno espécies de plantas carnívoras, algumas extremamente raras, como a do gênero Drosera, descrita pela primeira vez pelo naturalista e botânico Auguste Saint-Hilaire, em 1817.

Afastando-se um pouco da base do Parque, é possível encontrar a Serra do Galho. Marcando as coordenadas de viajantes de hoje e de outrora, o Morro do Galho, com seus 1.525 metros de altitude, ponto culminante da serra, destaca-se na paisagem. Nuvens escuras surgem no horizonte, trovoadas longínquas são ouvidas. No início da tarde, uma chuva inesperada e bem-vinda surge e marca o momento final da expedição.

Link para o site Invivo
link para o site do explorador mirim
link para o site brasiliana

funcionamento terça a sexta-feira: 9-16h30, sábados: 10h-16h

agendamento de visitas (0xx21) 25906747

Fiocruz, Av. Brasil, 4365 - Manguinhos, Rio de Janeiro| CEP: 21045-900

Copyright © Museu da vida | Casa de Oswaldo Cruz | Fiocruz

museudavida@fiocruz.br

O Museu da Vida faz parte de:

abcmc astc redpop ecsite icom

Amigos do Museu da Vida: uma rede de Saúde, ciência e cultura

patrocínio master

ibm dataprev conheça