Ir para o conteúdo
A Fiocruz se transformou num dos principais postos de vacinação do Brasil no dia 8 de novembro de 2014, com o evento Fiocruz pra Você 2014. A fundação recebeu cerca de 5 mil visitantes, sendo que mais de 2,5 mil crianças foram vacinadas contra sarampo e paralisia infantil no campus da instituição. O evento, em sua 21ª edição, integrou a 35ª Campanha Nacional de Vacinação contra o sarampo e a paralisia infantil (poliomielite) lançada pelo Ministério da Saúde neste ano.

O Museu da Vida participou do evento com cinco atividades no Parque da Ciência, como as Oficinas de bolhas de sabão e de brinquedos com sucata, Jogo das vacinas e o Girotec. No Epidauro, houve Laboratório de percepção de luz e som, apresentação da peça teatral “Aprendiz de Feiticeiro”, entre outras atrações. Os visitantes também encontraram atividades culturais, de divulgação científica, promoção da saúde e prestação de serviços em diversos locais do campus da instituição.

Durante o evento, o presidente da Fiocruz, Paulo Gadelha, destacou que a campanha anual de vacinação contra a poliomielite é fundamental para o controle da doença no país. Ele também afirmou que faz parte da missão da fundação incentivar a consciência sanitária da população, fazendo com que as pessoas percebam a importância da saúde, conheçam elementos da ciência e da tecnologia e compreendam a importância de sua participação. “Essas atividades que promovemos na Fiocruz só fazem sentido se a população entender o porquê de a vacina ser um instrumento fundamental para a saúde pública, compreender os benefícios de iniciativas como essas, e discutir questões ligadas à área de ambiente, saúde e ciência”, disse. “O Fiocruz pra Você é o momento de associar a vacinação a uma grande festa, onde a Fundação abre as portas para toda a população, para que ela possa compartilhar conosco nossas atividades recreativas, culturais e de promoção da saúde”, acrescentou.

Veja a galeria de fotos do evento aqui!

(Fonte: Agência Fiocruz de Notícias)




O museu itinerante do Museu da Vida, Ciência Móvel - Vida e Saúde para todos, recebeu pedidos de visitas para a agenda de 2015! Para recebê-lo em sua cidade, entre em contato pelos telefones (21) 3865-2105/2124 ou pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Aguardamos seu contato!
Em 2014, o Museu da Vida participou mais uma vez da Mostra Internacional de Vídeos Científicos VER CIÊNCIA, que completou vinte anos em 2014. A programação da mostra fez parte das atividades do Museu da Vida para a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia que contou com curtas e longas-metragem, com exibições que foram de 14 a 18 de outubro de 2014, em diversos horários.

VER CIÊNCIA SNCT 2014
Vídeos, Debates e Oficinas

CIÊNCIA EM CENA

Programação – Ciência em Cena / Epidauro

VÍDEO-OFICINAS: NEUROCIÊNCIA, ARTE E PERCEPÇÃO

Uma programação especial de filmes abordando o tema da Percepção, integrando Neurociência e Arte fará parte das atividades oferecidas no Ciência em Cena do Museu da Vida. Os filmes serão expostos juntamente com oficinas sobre Percepção, Arte e Ciência no Ciência em Cena (Prédio subterrâneo Epidauro).
Local: Ciência em Cena (Prédio subterrâneo Epidauro, ao lado da Tenda da Ciência)
Dias: 14 a 18 de outubro de 2014.
Horário: das 9h às 16h30min
Obs.: Vide horários e dias específicos abaixo.
Filmes Exibidos

ALMOÇO COM CIÊNCIA

A Verdade sobre os Exercícios, BBC, Reino Unido, 60min, 14 anos.
Como muitos de nós, o apresentador Michael Mosley quer ficar em boa forma e saudável, mas não quer enfrentar horas na esteira ou nas idas e vindas à academia. Contudo, a ciência pode ajudar a resolver este problema: pesquisas recentes sugerem que muitos de nós poderiam se beneficiar com apenas três minutos de exercícios em alta intensidade por semana. Usando-se como cobaia, Michael analisa estas surpreendentes pesquisas sobre os exercícios físicos, que revelam como poderemos viver mais e melhor.
Dia: 14/10/2014.
Horário: 12h às 13h.
(Dublado, exibição livre sem debates).

Cérebro Criativo: Como Funciona o Insight. The Creative Brain: How Insight Works, BBC, Reino Unido, 50min, 14 anos.
É um sentimento que todos nós conhecemos: o momento em que uma luz se acende em nossa cabeça! Em um súbito lampejo de inspiração, uma ideia nova nasce. Hoje, os cientistas estão usando algumas técnicas incomuns para tentar descobrir como surgem estes momentos de criatividade: eles criaram uma série de enigmas e quebra-cabeças para testar e reconhecer o comportamento criativo. Enquanto isso, a mais recente tecnologia de neuroimagem possibilita aos pesquisadores “olhar” dentro de nossos cérebros e registrar como acontece a centelha criativa.
Sites:
BBC-Clips
Dia: 15/10/2014
Horário: das 12h às 13h.
Local: Epidauro.
(Dublado, exibição livre sem debates).

Vivendo com Robôs, Living With Robots, Gedeon, França, 52min, 14 anos.
Os robôs estão em toda parte. Eles já constroem nossos carros, divertem nossas crianças e limpam nossas casas. O programa nos apresenta aos androides mais avançados do mundo, que olham e falam como nós, e são tão inteligentes que querem aprender da mesma forma que os humanos! Dos guardas prisionais na Coréia aos parceiros sexuais americanos, a vida com robôs surge das mais variadas formas em todo o mundo: a humanidade começa um novo capítulo de sua história.
Dia: 16/10/2014
Horário: das 12h às 13h.
Local: Epidauro.
(Dublado, exibição livre sem debates).
A Última Fronteira, Final Frontier, BBC, Reino Unido, 50min, 14 anos.
O apresentador Dallas Campbell faz uma retrospectiva dos 50 anos de programas da série Horizon, para configurar as descobertas científicas que transformaram nossa compreensão do universo. Desde os conceitos de espaço-tempo para planetas alienígenas e de dimensões extras do espaço, formulados por Einstein, a ciência tem revelado um cosmos que é mais surpreendente e espetacular do que jamais poderia ter sido imaginado. A cada descoberta nos deparamos com mais outros intrigantes mistérios – e esta grande jornada da ciência está apenas começando.
Sites:
http://www.bbc.co.uk/programmes/p00yjn1x http://www.youtube.com/watch?v=HCwDyVDDXmk
Dia: 17/10/2014
Horário: das 12h às 13h.
Local: Epidauro.
(Dublado, exibição livre sem debates).

O que nos Torna Humanos? / What Make us Human? BBC, Reino Unido, 50min.
A professora Alice Roberts está gerando um novo ser humano: ela está grávida de seu segundo filho. Mas antes de ele nascer, ela quer descobrir o que faz um ser humano... humano! O que é que nos separa de nossos parentes vivos mais próximos, os chimpanzés? Compartilhamos 99% do nosso DNA com eles - e a partir do momento do nascimento, nossas vidas são completamente diferentes. Então, somos apenas mais um animal, ou há algo especial que torna humano o ser humano?
Sites:
Dia: 18/10/2014
Horário: das 12h às 13h.
Local: Epidauro.
(Dublado, exibição livre sem debates).

OFICINA FACES: O RECONHECIMENTO DE ROSTOS...

Neurônios-Espelho: o Olho dos Outros. Mirror Neurons WGBH, Estados Unidos, 15min, 14 anos.
O que faz os torcedores se sentirem tão emocionalmente envolvidos durante o jogo, reagindo quase como se fossem eles mesmos participantes do jogo? De acordo com descobertas surpreendentes, feitas a partir de imagens do cérebro, estamos constantemente registrando em nossa cabeça qualquer atividade que observamos – e procurando imita-la. O programa descreve o que são estes nossos chamados "neurônios-espelho", que nos possibilitam entender as ações dos outros e imitar o que vemos.
Site:
Dia: 14, 15 e 16/10/2014
Horário: das 9h às 10h.
Local: Epidauro.
Após o filme, teremos uma oficina sobre como o nosso cérebro reconhece (ou não) rostos e como cientistas e artistas investigam e criam efeitos interessantes sobre a percepção de rostos e ilusões e efeitos de imagem.
Programação – Centro de Recepção

CURTAS: A CIÊNCIA QUE EU FAÇO

Uma programação especial de 12 curtas da série A CIÊNCIA QUE EU FAÇO!, produzida pelo Museu de Astronomia (MAST/MCTI) com entrevistas com cientistas brasileiros contando o que fazem, por que se interessaram por ciências, o que os motivou, como foi sua infância e outros momentos que marcaram e contribuíram para a sua escolha e formação profissional. Os filmes serão expostos em modo contínuo no Centro de Recepção do Museu da Vida e a série completa pode ser vista integralmente e baixada pela Internet e Canal Youtube. Um ótimo programa para discutir formação e escolha profissional para jovens.

Local: Centro de Recepção (TV tela plana e Totem no SALÃO)
Dias: 14 a 18 de outubro de 2014.
Horário: das 9h às 16h30min.
Obs.: Os curtas têm uma duração média de 5 minutos.

Filmes Exibidos:

1. Mutações nas Metrópoles Brasileiras, 7min, 14 anos.
Anísio Brasileiro de Freitas Dourado é engenheiro civil pela Universidade Federal de Pernambuco, com doutorado e pós-doutorado em Transportes. Em seu depoimento, descreve seus vínculos com as diversas formas de se aplicar ciência e tecnologia, e os fatores que o levaram a seguir o caminho da engenharia, tal como seu fascínio pelas grandes metrópoles brasileiras e suas constantes mutações.
Site:
2. Nutrição e Segurança Alimentar, 8min, 14 anos.
Sebastião de Sousa Almeida é psicólogo graduado pela USP, com mestrado e doutorado em Farmacologia pela USP e pela Boston University. Seu foco de interesse e pesquisa é a área de nutrição e comportamento no Brasil: “Mais do que multidisciplinar, esta é uma ciência interdisciplinar”. Seus trabalhos abrangem a desnutrição proteica precoce, ansiedade, aprendizagem e comportamento, comportamento alimentar e determinantes ambientais da obesidade em crianças e adolescentes.
Site:
3. Cooperativas Indígenas, 9min, 14 anos.
Terri Valle de Aquino é graduado em Antropologia pela Universidade de Brasília (UNB) e pesquisador da Fundação Nacional do Índio (FUNAI). Terri foi o primeiro profissional da área a subir vários rios do Alto Juruá para realizar levantamentos socioeconômicos e fundiários sobre os povos indígenas do Acre. No programa, ele relata em detalhes a criação de cooperativas indígenas que buscam a autossuficiência dessas populações, além de assegurar o direito de ocupação de seus territórios.

4. Terapias Avançadas, 3min, 14 anos
Marcelo Morales é graduado em Medicina pela USP, doutor em Biofísica pela UFRJ e concluiu seu pós-doutorado pela John Hopkins School of Medicine. Atua principalmente nas áreas das terapias celulares em doenças renais e pulmonares e da Terapia Gênica utilizando vetores virais e nanopartículas. No programa, relata sua prática com essas terapias avançadas e suas pesquisas sobre o tratamento de animais com células-tronco.
Site:
 

5. Doença de Chagas, 4min, 14 anos
Andréa Mara Macedo é biólogo graduada pela Universidade Federal de Minas Gerais, com doutorado em Bioquímica e pós-doutorado na área de Genética Molecular e Biotecnologia pelo Núcleo de Genética Médica de Minas Gerais. Seu trabalho está centrado na pesquisa da “Doença de Chagas” e de sua ação deletéria no organismo dos seres humanos: um dos tópicos mais importantes é o estudo do DNA do ser humano e do parasita, buscando entender por que alguns indivíduos desenvolvem determinados sintomas e outros não.
6. Museu de Ciências Ricardo Ferreira, 10min, 14 anos
Apaixonado pela divulgação científica, o físico Marcos Antônio Pinto Ribeiro dá um emocionado depoimento sobre sua trajetória na área, desde a graduação na Universidade Federal Rural de Pernambuco. O destaque fica por conta de sua atuação à frente do Museu de Ciências Ricardo Ferreira, criado na Escola Pública Otacílio Nunes de Souza, em Petrolina (PE). Trata-se de um espaço não formal de divulgação científica no qual alunos do ensino médio interagem e debatem sobre tudo que acontece no meio científico. É o único museu do gênero criado dentro de uma escola.
7. Rede Nacional de Computadores, 6min, 14 anos
Nelson Simões da Silva graduou-se em Engenharia de Computação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e é atualmente o diretor da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP). Para ele, o principal recurso de comunicação e intercâmbio via internet é o vídeo. O setor médico é um bom exemplo da importância dessa ferramenta. Hoje, a RNP reúne cerca de 100 hospitais, cujos profissionais trocam informações por meio de imagens de alta resolução. São aulas a distância, demonstrações de novas técnicas, utilização em tempo real de imagens para decisão sobre procedimentos a serem adotados, entre outras aplicações. Em seu depoimento, Nelson Simões descreve estas e outras utilizações do vídeo para qualificar serviços nas mais diversas áreas do conhecimento científico e tecnológico.
Site:
8. Internet, nova Biblioteca de Alexandria, 7min, 14 anos.
Cecília Leite de Oliveira se graduou em Letras na Universidade de Brasília, onde também concluiu seu mestrado e doutorado em Ciências da Informação. No seu depoimento, Cecília faz uma analogia entre o que é a internet e o que foi a Biblioteca de Alexandria, que reuniu o maior acervo de cultura e ciência da Antiguidade, com cerca de 500 mil papiros. Na comparação de Cecília, a web é hoje o que foi Alexandria para os pesquisadores do nosso tempo – com uma diferença: são bilhões de documentos na rede mundial! O papel do cientista da informação é dar ordem a todo esse fantástico volume de conhecimento.
Site:
9. Água Solarizada em Tubos PET, 5min, 14 anos.
Karoline Elis Lopes faz graduação em Engenharia Civil na Universidade Federal de Minas Gerais e tem especial interesse na área de Engenharia Hidráulica e modelagem de recursos hídricos. Em seu depoimento, Karoline relata como concebeu seu projeto de tratamento de água, que tem como base a confecção de uma tubulação feita com garrafas PET, acoplada a um concentrador solar em um sistema de fluxo contínuo de água solarizada, como alternativa para desinfecção microbiológica em estações de tratamento. Com esse projeto, Karoline ganhou o 3º lugar no International Science and Engineering Fair, na categoria Engenharia Ambiental; o 1º lugar do Prêmio Google e Menção Honrosa pelo INCOSE (Conselho Internacional de Engenharia de Sistemas).
Site:
10. Planejamento Ambiental no Semiárido, 5min, 14 anos.
Maria do Carmo Martins Sobral graduou-se em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Pernambuco; tem mestrado pela University of Waterloo e doutorado e pós-doutorado em Saneamento Ambiental pela Technische Universität Berlin (TUBerlin). Maria do Carmo acredita que o Brasil precisa de uma melhoria efetiva no gerenciamento de seus recursos, não só na área ambiental, mas em todo o resto. A pesquisadora relata que a região do Semiárido nordestino corre o risco de sofrer grandes impactos ambientais com as mudanças climáticas. Ela afirma que não adianta apenas propor modelos, sem que a questão social seja considerada. E reitera que a conscientização da população, das escolas às instituições que gerenciam as cidades, é fundamental para o planejamento ambiental.
11. Purificação da água com caroço de açaí, 7min, 14 anos.
Edivan Nascimento Pereira é estudante da Escola Estadual de Ensino Médio Profª Ernestina Pereira Maia, em Moju, município do Pará. Em 2013, foi o primeiro colocado na categoria “Ensino Médio” da 27ª edição do Prêmio Jovem Cientista, promovido pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ). A pesquisa vencedora foi intitulada “Carvão do caroço do açaí (Euterpe olerecea) ativado quimicamente com hidróxido de sódio (NaOH) e sua eficiência no tratamento de água para o consumo”. Seu projeto de pesquisa foi desenvolvido com a orientação do professor Valdemar Carneiro Rodrigues Júnior. Juntos, os dois pesquisadores produziram uma solução sustentável e de baixo custo para a purificação da água, que utiliza carvão ativado obtido a partir do caroço de açaí. Edivan conta que o trabalho partiu de um problema muito presente na realidade do seu município, sobretudo nas comunidades ribeirinhas, que consomem água diretamente do rio, sem que haja qualquer tratamento.

12. Olimpíadas Brasileiras de Matemática, 6min, 14 anos
Cláudio Landim é matemático, com graduação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, mestrado pelo Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (IMPA), doutorado pela Université Paris Diderot e pós-doutorado pela Courant Institute New York University. Ele nos conta como foi criada a Olimpíada Brasileira de Matemática nas Escolas Públicas (OBMEP), uma iniciativa do IMPA. O projeto foi inicialmente concebido para atender tanto as instituições de ensino da rede pública como a rede privada. Em 2005, passou a atender somente as redes públicas. Logo na 1ª edição, o evento contou com 10 milhões de estudantes e, desde então, vem ampliando esses números – até chegar aos 18 milhões da edição de 2014.
 
O Museu da Vida preparou uma grande festa em comemoração ao dia das crianças no ano de 2014.  Os visitantes foram convidados a participar de várias atividades no MV no dia 11 de outubro de 2014, das 10h às 16h. Veja a programação abaixo:

Programação

Oficina de Brinquedos com Sucatas
Venha criar o seu brinquedo com sucatas, refletindo sobre lixo, ambiente e saúde.
Faixa etária: a partir de 5 anos
Espaço: Foyer
Sessões: 10h e 14h30min
Com distribuição de senhas: 20 vagas

Fábrica de Geleca
Venha fazer uma geleca colorida e divertida! Nessa atividade você realizará a sua própria experiência brincando com a química e sintetizando o seu polímero (plástico).
Faixa etária: a partir dos 5 anos
Local: Parque da Ciência
Sessões: 10h, 11h, 13h, 14h e 15h
Com distribuição de senhas: 20 vagas

Atividade Circense com Coletivo Nopok
O Coletivo Nopok é um grupo de circo que se utiliza da dança, da música e do improviso na construção de uma linguagem própria. Trabalham na direção de revigorar, fortalecer e manter viva a tradição dos artistas circenses no imaginário das pessoas e de resgatar sua relação afetiva com o circo.
Faixa etária: Livre
Local: Centro de Recepção
Sessões: 10h30min e 11h30min

Contadores de Histórias: Brincadeira de criança, como é bom!
Esse é o tema de apresentação dos Contadores de Histórias do Museu da Vida na comemoração do Dia das Crianças. A atividade tem como objetivo articular a literatura - através da arte de contar histórias e a brincadeira - com temas da ciência e da saúde.
Faixa etária: a partir dos 5 anos
Local: Auditório
Sessões: 11h e 13h30min

Oficina da Bolha de Sabão
Venha fazer sua bolha de sabão e descobrir o que ela tem de tão fascinante como seu formato esférico, sua natureza extremamente frágil, suas belas cores e a química da sua composição.
Faixa etária: a partir de 5 anos
Local: Parque da Ciência

Esse lago tá pra peixe?
Que tal pescar “peixes informativos”? Você fará descobertas sobre o lixo que é depositado nos rios, lagos e mares, e as suas consequências para o ecossistema. E assim, poderá desenhar outro cenário!
Faixa etária: a partir dos 5 anos
Local: Parque da Ciência

Pula Pula e Pintura Facial
Libere energia e compartilhe sua alegria no pula pula. Aproveite para fazer uma pintura facial de sua preferência!
Faixa etária: Livre
Local: Parque da Ciência

Jogo das Vacinas
Jogo do tipo ludo, onde as crianças são as peças fundamentais. Nele todos os participantes devem ser “vacinados” para se proteger contra doenças, antes que o tempo se esgote. O jogo, que busca passar informações sobre vacinas de forma descomplicada e divertida é para crianças acima de 10 anos.
Faixa etária: à partir de 10 anos
Local: Parque da Ciência

Objeto em Foco e visita à Sala de Exposição Entomológica Costa Lima no Castelo Mourisco
Na visita ao Castelo Mourisco você poderá, além de contemplar sua beleza, conhecer peças museológicas de importante valor cultural, científico e histórico e algumas curiosidades sobre elas. Lá, encontra-se, ainda, uma exposição entomológica que tem como acervo, grande diversidade de insetos, que encantam por sua beleza estética e diversidade de tamanhos.
Faixa etária: Livre
Local: Castelo Mourisco


Em de setembro de 2014, a programação do Museu da Vida foi especial: Uma série de atividades foi preparada para a "Primavera dos Museus", que teve como tema "Museus criativos" e também foi voltada para a Semana do Idoso. Atividade de dança e expressão corporal, teatro, apresentação musical, Show de Ciência e Caminhada Histórica pelo Campus Fiocruz são algumas das atividades que aconteceram até 27 de setembro de 2014.

Veja abaixo a programação completa da Primavera dos Museus e Semana do Idoso:


20/09
Contadores de
Histórias

Tenda da Ciência

11h

Livre

20/09
Peça de teatro
“Aventuras no Castelo”

Castelo Mourisco

10:10h e 11h

Livre

22/09
Abertura Coral
Fiocruz

Tenda da Ciência

13:30h

Livre

22/09
Mesa de Abertura –
Representante do IBRAM; Museu da Maré e Eco – Museu Manguinhos

Tenda da Ciência

14:10h

Livre

24/09
Visita especial ao
Castelo Mourisco

Castelo Mourisco

9h e 10:30h;

13:30h e 15h

A partir de 8 anos

24/09
Atividade teatral
“Filosofia de um par de botas

Epidauro

13:30h

A partir de 15
anos

24/09
Atividade de dança
e expressão corporal – apresentação da equipe de idosos do Programa de
Atenção a Saúde do Idoso ENSP.

Tenda da Ciência

15:15h

Livre

27/09
Peça de teatro
“Aventuras no Castelo”

Castelo Mourisco

10:10h e 11h

Livre

27/09
Apresentação
Musical do grupo “Música na calçada”

Tenda da Ciência

12h

Livre

27/09
Show de Ciência

Auditório do Museu
da Vida

11h e 13h

A partir de 8 anos

27/09
Caminhada
Histórica pelo Campus Fiocruz

Campus Fiocruz

10h e 15h

A partir dos 10
anos

27/09
Apresentação
Musical “Maya Black”

Tenda da Ciência

14h

Livre
O Museu da Vida selecionou estudante para estágio no campo da Educação em Museus, para atuar em seu Serviço de Educação. Os candidatos deveriam estar cursando Pedagogia, entre o 3º e 5º períodos para pleitear uma vaga no Serviço de Educação do Museu da Vida.

A carga horária da vaga é de 30 horas e é preciso ter disponibilidade para o estágio durante três dias da semana (a combinar) de 9h às 17h e um dia da semana de 9h às 14h ou de 11h às 16h. O processo seletivo conta com análise curricular e entrevista.

Os interessados encaminharam currículo para o e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. até o dia 24/09/14.
O Museu da Vida recebeu Nurit Bensusan, do Instituto Socioambiental(ISA), no dia 17 de setembro de 2014, às 9h30, para a palestra “A Ciência Deve Ser Pop?”.

Bióloga e engenheira florestal, com mestrado em ecologia e doutorado em Educação, Nurit Bensusan se equilibra entre o trabalho com conservação da biodiversidade na sociedade civil e as atividades ligadas ao engajamento da sociedade na agenda de ciência e tecnologia. Já foi consultora de várias instituições, coordenadora de biodiversidade do Instituto Socioambiental (ISA), coordenadora de políticas públicas do WWF Brasil e Coordenadora de Gestão do Conhecimento, no Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB).

Em sua palestra, ela debateu sobre a popularização da ciência como forma de aproximar as pessoas da agenda de ciência e tecnologia e de aumentar as possibilidades de participação nos processos de tomada de decisões. A partir de sua experiência, ela abordou como plataformas virtuais de popularização científica podem ajudar neste desafio.

Seminário da Pós-graduação em Divulgação Científica

Evento gratuito, aberto ao público e sem necessidade de inscrição prévia

Dia 17 de setembro (quarta-feira), às 9h30

Local: Oficina-Escola de Manguinhos

Endereço: Museu da Vida, na Av. Brasil, 4365 – Manguinhos – Rio de Janeiro (perto da passarela 6 e dentro do campus da Fiocruz).

No dia 15 de setembro, uma segunda-feira, às 13h30, O Seminário da Pós-graduação em Divulgação Científica sobre a história dos meteoritos contou com a presença de Maria Elizabeth Zucolotto, astrônoma e especialista em meteoritos.

Com mestrado em Geologia e doutorado em Engenharia Metalúrgica, Maria é
curadora da coleção de meteoritos do Museu Nacional.

Em sua palestra, ela abordou a importância dos estudos e da divulgação científica na área e mostrou que os meteoritos podem fornecer, mesmo sem os pesados custos de um programa espacial, informações sobre os processos astrofísicos que ocorreram antes da formação do sistema solar, da formação e evolução dos planetas e também sobre a origem e evolução da vida.

O evento aconteceu na Oficina-Escola de Manguinhos. Foi um evento gratuito, aberto ao público e não necessitou de inscrição prévia. Endereço: Museu da Vida, na Av. Brasil, 4365 – Manguinhos – Rio de Janeiro (perto da passarela 6 e dentro do campus da Fiocruz).
Dirigida à família toda, a exposição “Dengue” reúne informações sobre a doença em universo multimídia, interativo, divertido e ilustrado, incluindo oficina, observação com uso de microscópio, oficina com os mediadores do Museu da Vida, informações sobre a virose em tempo real e até um aspirador de mosquito, usado pela Vigilância Epidemiológica da Fiocruz. Outra atração é um mosquito fossilizado em âmbar de cerca de 30 milhões de anos.

Miguel de Oliveira, biólogo e curador da mostra, lembra que a dengue é uma “doença que acomete muitas pessoas, e que pode matar se não for tratada”. Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) indicam que 40% dos habitantes do planeta, ou 2,8 bilhões de pessoas, estão ameaçados pela dengue. Ásia, Oceania, Américas e também a África são continentes que sofrem com epidemias de dengue. Para o biólogo do Museu da Vida, é importante a “conscientização do público de que a doença mata, mas pode ser evitada com o controle do mosquito”. Miguel de Oliveira chama atenção para o ineditismo da mostra: “atualmente, não há uma exposição sobre a dengue no mundo.” A exposição fica aberta até 20 de setembro e tem visitação gratuita.

A exposição – produzida pela Folguedo - começa com um enorme mosquito (Aedes aegypti), de mais de 2 metros esculpido por Ricardo Fernandes, que recepciona o visitante na entrada da sala de exposição. O primeiro módulo apresenta a biologia dos vetores, o que é e quais os outros mosquitos que podem transmitir a doença, caso do Aedes albopictus, de acordo com o biólogo, mais comum na Ásia. No segundo, o público conhece o vírus, como se multiplica no inseto e no ser humano. O próximo módulo é dedicado à doença, seus principais sintomas e suas complicações. As pesquisas aparecem no quarto módulo, destacando-se as experiências com uso de mosquitos transgênicos e também com a bactéria Wolbachia (presente em várias espécies de insetos) para conter o vetor. Na parte final, a mostra enfatiza o controle do mosquito. São abordadas, entre outras, as medidas para evitar sua proliferação como a campanha nacional “10 Minutos Contra a Dengue” - resultado da parceria entre Instituto Oswaldo Cruz (IOC)/Fiocruz e a Sesdec/RJ (Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil).

Outra atividade importante no módulo final da mostra é o “Quintal Interativo”, que permite ao visitante observar os ovos e a pupa do mosquito, usando lupas e microscópios. A brincadeira que ajuda a aprender sobre a dengue continua com a pescaria (da larva e da pupa), o “Jogo dos Balões”, em que o público é estimulado a descobrir os possíveis criadouros do Aedes aegypti. A criançada pode participar de uma oficina para montar o vírus da dengue em papel e levá-lo para casa, manipular um modelo de mosquito (de cerca de 30cm), tocar e observar o interior do inseto.

Uma área especial com capacidade para até 15 pessoas é dedicada à exibição de vídeos. Dois documentários já produzidos e dirigidos por Genilton José Vieira, do Instituto Oswaldo Cruz (IOC), serão exibidos: “O Mundo Macro e Micro do Mosquito Aedes aegypti – Para combatê-lo é preciso conhecê-lo” e “Aedes aegypti e Aedes albopictus: uma Ameaça nos Trópicos”. O primeiro recebeu diversos prêmios internacionais, entre os quais o segundo lugar no Festival Mif-Sciences, em Cuba, em junho de 2006.

Segundo Miguel de Oliveira, para controlar [o vetor] é preciso conhecer o mosquito, o vírus e entender seu ciclo de vida. O biólogo adianta que haverá informações em tempo real, exibidas em projetor de imagens instalado na sala da exposição. Desta forma, o visitante poderá saber como está a dengue no mundo.

A exposição “Dengue” é uma iniciativa do Museu da Vida (Casa de Oswaldo Cruz) /Fiocruz, com patrocínio da Sanofi e da Rede de Ações Integradas de Atenção à Saúde no Controle da Dengue, coordenada pela Vice-Presidência de Ambiente, Atenção e Promoção da Saúde, com abrangência nessas três áreas, sem excluir a pesquisa.

Com a mostra “Dengue”, serão conhecidas também as informações do Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa), do Ministério da Saúde, que apresenta um mapeamento dos índices de infestação pelo mosquito, com base em pesquisa da Fiocruz. Participam da iniciativa capitais e municípios de regiões metropolitanas, municípios com mais de 100 mil habitantes e cidades com grande fluxo de turistas e de fronteira. Entre as vantagens, o LIRAa identifica os criadouros predominantes e a situação de infestação do município, e permite o direcionamento das ações de controle para as áreas mais críticas.

Exposição “Dengue”
De janeiro a setembro de 2014
Local: Sala de Exposições do Museu da Vida
Visitação: terça a sexta-feira, das 9h às 16h30, e no sábado, das 10h às 16h. Entrada gratuita.
Agendamento: (21) 2590-6747
Endereço: Avenida Brasil, 4365 – Manguinhos
Há cerca de doze anos, houve uma mudança nos rumos da arqueologia quando uma lei tornou obrigatório que todos os programas de pesquisas arqueológicas também desenvolvessem projetos de educação patrimonial, como forma de divulgar o patrimônio cultural resgatado dentro destas pesquisas.

Desde então, grupos de pesquisadores especializados em educação patrimonial vêm se formando, tendo como foco a ideia de popularizar o conhecimento e as descobertas na área.

Para debater o tema, o Museu da Vida recebeu no dia 8 de setembro de 2014, às 9h30, Ondemar Dias, arqueólogo e diretor-presidente do Instituto de Arqueologia Brasileira, e Jandira Neto, arqueóloga e gestora de projetos de educação patrimonial do Instituto de Arqueologia Brasileira. Eles trataram do tema: “A divulgação Cientifica na Arqueologia – O modo de fazer do Instituto de Arqueologia Brasileira”.
O evento, gratuito e sem inscrição prévia, aconteceu na Oficina-Escola de Manguinhos, no Museu da Vida, na Av. Brasil, 4365 – Manguinhos – Rio de Janeiro (perto da passarela 6 e dentro do campus da Fiocruz).

Link para o site Invivo
link para o site do explorador mirim
link para o site brasiliana

funcionamento terça a sexta-feira: 9-16h30, sábados: 10h-16h

agendamento de visitas 55 21 2590-6747

Fiocruz, Av. Brasil, 4365 - Manguinhos, Rio de Janeiro| CEP: 21040-900

Copyright © Museu da vida | Casa de Oswaldo Cruz | Fiocruz

museudavida@fiocruz.br

Assessoria de imprensa: divulgacao@coc.fiocruz.br.

O Museu da Vida faz parte de:

abcmc astc redpop ecsite icom

Amigos do Museu da Vida: uma rede de Saúde, ciência e cultura

patrocínio master

ibm Johnson & Johnson Nova Rio conheça