Ir para o conteúdo

Evento que promove a popularização da astronomia aconteceu no dia 19 de maio de 2014. 


GalileoMobile (http://galileo-mobile.org/) é um programa itinerante internacional de divulgação em ciências sem fins lucrativos, totalmente voluntário, que leva Astronomia a crianças, adolescentes, professores e moradores de comunidades periféricas ou rurais que têm pouco ou nenhum acesso a este tipo de eventos.

O programa é executado e gerido por voluntários de diversos países e entra em ação por meio de suas viagens educativas, quando a equipe visita escolas e comunidades para trabalhar com temas relacionados à Astronomia. GalileoMobile ainda promove a interação cultural entre as pessoas para além de seus limites geográficos, já que todos vivemos “sob um mesmo céu”.

Em cada expedição, um produto (livro ou documentário) é produzido. No Museu da Vida, foi promovido um seminário que abordou as expedições realizadas pelo programa GalileoMobile, que já levou Astronomia para mais de 8.800 estudantes, 860 professores e 1.000 moradores locais de Chile, Bolívia, Peru, Índia e Uganda. Também foi exibido o documentário "Sob o mesmo céu" (52') sobre o projeto executado no ano de 2009.

O tema do evento foi apresentação por Patrícia Figueiró Spinelli. Ela possui graduação e mestrado em Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e doutorado em Astrofísica pela Ludwig-Maximilians-Universität e International Max Planck Research School on Astrophysics. Realizou estágio de pós-doutorado na Universidade de São Paulo e atualmente é pesquisadora adjunta do Museu de Astronomia e Ciências Afins.

Local: Oficina-Escola de Manguinhos
Endereço: Museu da Vida, na Av. Brasil, 4365 – Manguinhos – Rio de Janeiro (perto da passarela 6 e dentro do campus da Fiocruz).

 
O caminhão da ciência chegou à cidade em 2014, com várias atrações que conjugavam ciência e diversão.
 
Um museu itinerante que leva diversos módulos interativos e atrações de arte e cultura pela região Sudeste do país. Este é o projeto “Ciência Móvel – Vida e Saúde para Todos”, que, em sete anos, já percorreu quase 70 cidades em mais de 100 viagens, alcançando um público estimado em 600 mil pessoas.

Estudantes, familiares e demais públicos da cidade de Rio das Ostras, na Região dos Lagos, conheceram atrações como os módulos planetário inflável, o girotech (um simulador de movimentos como os que são executados em treinamento de astronautas), a bancada de microscopia, a bicicleta geradora, a pilha humana, a casa maquete e a miniusina hidrelétrica.

Também puderam interagir com os tubos musicais, os modelos de olho humano e as exposições “Dengue” e “Energia”. O caminhão da ciência carrega ainda um componente artístico como sua nova atração: esquetes com a Companhia Teatral Ziripitó, encenados junto aos módulos.

A visita a Rio das Ostras foi agendada para os dias 22 e 23 de maio de 2014 (quinta e sexta-feira), no ginásio poliesportivo Benedito Zarour, em Jardim Marileia, que fica perto da sede da prefeitura. A entrada foi gratuita.

A proposta do projeto é oferecer um espaço de descoberta, reflexão e encantamento, por meio de atividades interativas, cujos temas centrais são a vida e sua diversidade, a promoção da saúde e a intervenção do homem sobre o ser vivo e o ambiente, compreendendo os mais diversos campos do conhecimento: biologia, física, química, astronomia e arte. Desta forma, o projeto quer aproximar a ciência do cotidiano das pessoas fazendo divulgação científica.

A iniciativa é uma parceria do Museu da Vida (Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz), com a secretaria de Educação do município, cuja população estimada pelo IBGE é de pouco mais de 122 mil habitantes.

A cidade de Rio das Ostras possui área de 230 mil m² e está localizado a 170 quilômetros da capital fluminense. Em 2014, completou 22 anos de fundação. Rio das Ostras possui quase 23 mil alunos, distribuídos no ensino fundamental e médio. Com localização na chamada Costa do Sol, a cidade recebe visitantes de todo o país interessados em seus 28 quilômetros de litoral.

Aprovado pela Lei Rouanet (Ministério da Cultura) – o projeto “Ciência Móvel – Vida e Saúde para Todos” conta com as parcerias da Fundação Centro de Ciências e Educação Superior à Distância do Estado do Rio de Janeiro (Cecierj) e de Bio-Manguinhos e o patrocínio da Sanofi e IBM.

A Cia. Teatral Ziripitó surgiu no Rio de Janeiro, fruto da reunião de um grupo de artistas interessados na Commedia Dell’arte e pela cultura brasileira, em 2009. Com uma linguagem inovadora e de cuidado estético, tem a proposta de contribuir para o fortalecimento do teatro infantil. A estreia foi com o espetáculo "O Reino do Feijão Preto", texto inédito de Helton Tinoco.

Projeto “Ciência Móvel – Vida e Saúde para Todos”
Local: Ginásio Poliesportivo Benedito Zarour (Rua Bom Jardim, s/nº J. Marileia)
Data: 22 e 23 de maio. Visitação: Grátis.
Horários de atendimento: 22/5 - das 8h30 às 20h; 23/5 – das 8h30 às 16h.


Publicado em 19/05/2014

A atividade fez parte do Festival Municipal de Animação - Anima Terê em 2014.


O projeto Ciência Móvel - Vida e Saúde para Todos chegou à região serrana do Rio de Janeiro. Em Teresópolis, o museu itinerante da Fiocruz apresentou atividades interativas, e promoveu palestras e oficinas visando mostrar ao público uma forma divertida de aprender sobre a ciência, a biologia e a astronomia. Coordenado pelo Museu da Vida (Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz), o projeto, com entrada gratuita, abriu suas portas dia 13 de maio de 2014, e ficou em Teresópolis até o dia 16, no ginásio Pedro Jahara, o Pedrão.

A parceria da secretaria de Educação e o Museu da Vida fez parte da quinta edição do Festival Municipal de Animação, o Anima Terê. O evento foi aberto a alunos, professores e visitantes. Segundo a secretaria, é uma oportunidade para o público conferir uma proposta interdisciplinar de trabalho pedagógico, por meio da animação e uma série de atividades interativas.

O caminhão da ciência leva módulos como o girotech - um simulador de movimentos como os que são executados durante o treinamento dos astronautas -, a bancada de microscopia, a bicicleta geradora, a pilha humana, bem como modelos do olho humano e as exposições “Dengue” e “Energia”, entre outras atrações.

O projeto Ciência Móvel – Vida e Saúde para Todos já fez mais de 100 viagens por cidades da região Sudeste, em 7 anos de atividades. São parceiros do Museu da Vida: a Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro (Cecierj), IBM, Sanofi e Biomanguinhos (Fiocruz).

Serviço
Projeto Ciência Móvel – Vida e Saúde para todos
Local: ginásio Pedro Jahara - Rua Tenente Luiz Meireles, nº 211, Várzea.
Datas e horários
13/5 - das 14h às 17h;
14/5 – das 8h às 12h; de 14h às 17h e de 18h às 20h
15/5 – das 8h às 12h, e de 14h às 17h
16/5 – das 8h às 12h

Publicado em 14/05/2014

No aniversário de 2014, o público pôde participar de atividades circenses, música e oficinas.



O mês de maio é sempre especial no Museu da Vida: é o nosso mês de aniversário. Em 2014, completamos 15 anos! Para comemorar, oferecemos uma série de atividades. Confira a programação especial do dia 24 de maio:

Objeto em Foco e visita à Sala de Exposição Entomológica Costa Lima no Castelo Mourisco
Na visita ao Castelo Mourisco o público pôde, além de contemplar sua beleza, conhecer peças museológicas de importante valor cultural, científico e histórico e algumas curiosidades sobre elas. Os participantes puderam ainda ver uma exposição entomológica que tem como acervo grande diversidade de insetos, que encantam por sua beleza estética e diversidade de tamanhos.
Local: Castelo Mourisco
Dias 13 a 26, com exceção de domingos e segundas, horários: 9h às 16h30 (dias de semana com agendamento prévio) e aos sábados, sem agendamento, de 10h às 16h

Mostra de Anatomia Patológica
A exposição foi composta por peças anatômicas que integram o acervo original de algumas das coleções biológicas de maior valor histórico mantidas pelo Instituto Oswaldo Cruz e pela Fiocruz.
Local: Epidauro
Dia: 24, horário: 10h às 16h

Mostra de acervo museológico da Fiocruz
Pequena mostra do acervo museológico da Fiocruz que abrange ciência e tecnologia no campo da saúde. Parte deste acervo, como equipamentos de laboratório, aparatos destinados à fabricação de medicamentos e vacinas e instrumentos médicos e científicos, poderão ser vistos.
Local: Centro de Recepção do Museu da Vida
Dia: 24, horário: 10h às 16h

Sala de jogos
O público pôde se divertir com vários jogos elaborados do Museu da Vida, como “Unidos para produzir um lugar saudável”, em que os jogadores deveriam enfrentar os desafios propostos e transformar a realidade da sociedade e do ambiente. O jogo apresenta o Sistema Único de Saúde (SUS) por meio de atividades lúdicas e interativas.
Local: Centro de Recepção do Museu da Vida
Dia: 24, horário: 10h às 16h

A vez das palavras
Uma viagem lúdica de histórias, músicas e jogos que buscam resgatar memórias do universo infantil; ouvir e compartilhar histórias sobre brincadeiras inesquecíveis e aventuras da infância.
Local: Foyer (Sede do Museu da Vida)
Dia: 24, horário: 10h às 12h

Jogo das Vacinas
Jogo do tipo ludo, onde as crianças são as peças fundamentais. Nele todos os participantes devem ser “vacinados” para se proteger contra doenças, antes que o tempo se esgote. O jogo, que busca passar informações sobre vacinas de forma descomplicada e divertida, é voltado para crianças acima dos 8 anos.
Local: Parque da Ciência
Dia: 24/05, horário: 10h às 16h

Horto Fiocruz
Atividade de distribuição de mudas que teve como objetivo a conscientização da preservação do meio ambiente.
Local: Parque da Ciência
Dia: 24, horário: A partir das 10h

Atividades Circenses com Coletivo Nopok
O Coletivo Nopok é um grupo de circo que se utiliza da dança, da música e do improviso na construção de uma linguagem própria. Trabalham na direção de revigorar, fortalecer e manter viva a tradição dos artistas circenses no imaginário das pessoas e de resgatar sua relação afetiva com o circo.
Local: espaços do Museu da Vida
Dia: 24, horário: de 10h às 16h

Células ao microscópio
Hoje sabemos que todos os seres vivos têm seus corpos formados por células. Mas será que sempre foi assim? Nessa atividade os participantes foram convidados a montar lâminas para observação de células animais e vegetais e, enquanto isso, aprenderam mais da história da chamada teoria celular.
Faixa etária: a partir de 10 anos
Local: Pirâmide do Parque
Dia: 24, horários: 10h e 15h
Com distribuição de senhas: 18

Oficina de bolhas
O público pôde aprender mais sobre a bolha de sabão e descobrir o que ela tem de tão fascinante como seu formato esférico, sua natureza extremamente frágil, suas belas cores e a química da sua composição.
Faixa etária: livre
Local: área externa do Parque da Ciência
Dia: 24, horários: das 10h às 15h

Há vida na gota d’água?
Os participantes puderam observar a vida que existe na água não tratada no microscópio óptico, e aprenderam mais sobre o que são os microrganismos e sua importância.
Faixa etária: a partir de 10 anos
Local: Pirâmide do Parque
Dia: 24, horários: 10h30 e 14h
Com distribuição de senhas: 16

Conferência Sinistra
Nessa apresentação, as doenças se encontraram para bater um papo. Febre amarela, peste bubônica e varíola, principais doenças que assolavam o Rio de Janeiro no início do século XX, viraram personagens desta intervenção teatral e, com muito humor, conversaram sobre os males que causam à saúde.
Local: Auditório do Museu da Vida
Dia: 24, horário: 11h

Oficina "Vírus: Uma beleza mortal"
Uma viagem pelo mundo nanoscópico: o universo visto na escala dos vírus e moléculas por meio de esculturas e modelos. Na oficina foram observadas imagens e modelos de estruturas virais, e o público conheceu um pouco da história de sua descoberta. Os participantes também construíram, em grupos, um modelo em canudos do vírus da Dengue. A partir de 10 anos.
Local: Epidauro (Ateliê Ciência e Arte)
Dia: 24, horários: 11h, 13h e 14h30

Oficina de Brinquedos com sucatas
Em festa de aniversário, a brincadeira não pode faltar! Nessa oficina, as crianças criaram brinquedos com sucatas, refletindo sobre lixo, ambiente e saúde.
Local: Parque da Ciência
Dia: 24, horários: 11h30 e 13h
Faixa etária: a partir de 05 anos
Com distribuição de senhas: 16

Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí - Petrópolis
Projeto sócio-cultural orientado a estudantes da rede pública de ensino, que oferece curso intensivo de música e formação de orquestra. Estimula a formação artística da plateia, levando a música instrumental e seus compositores ao público.
Local: Tenda da Ciência
Dia: 24, horário: 12h

Contadores de Histórias com Histórias Dengosas
Os Contadores de Histórias do Museu da Vida apresentaram divertidos poemas e histórias sobre a Dengue. Após as histórias, o público participou do Bate Papo "Falando sobre Dengue", com o Biólogo Miguel Oliveira, curador da Exposição Dengue.
Local: Tenda da Ciência
Dia: 24, horário: 14h30
Faixa etária: livre

Geleca
Nessa atividade o público pôde criar sua própria geleca colorida e divertida, brincando com a química e sintetizando o seu polímero (plástico).
Local: Parque da Ciência
Dia: 24, horário: 15h
Faixa etária: de 04 a 09 anos
Com distribuição de senhas: 30


Não é necessário agendar sua visita para participar do evento. Basta se dirigir ao Centro de Recepção do Museu da Vida. Para mais informações, entre em contato pelo telefone: (21) 2590-6747.

Lanches poderão ser compradas na Cantina da Quadra e piqueniques são bem-vindos no Museu da Vida.


Publicado em 12/05/2014
O Jogo das Vacinas é uma forma lúdica de ensinar a importância da vacinação para o público infantil.


Foto: Divulgação Fiocruz
Uma novidade agitou ainda mais as atividades do Ciência Móvel, na Vila Olímpica de Santa Cruz, de 6 a 9 de maio de2014: o lançamento do Jogo das Vacinas, voltado para o público infanto-juvenil, no qual todos os participantes devem ser “vacinados” para se proteger contra doenças, antes que o tempo se esgote. O jogo, que busca passar informações sobre vacinas de forma descomplicada e divertida, é resultado de parceria entre o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos) e o Projeto Ciência Móvel – Vida e saúde para todos, do Museu da Vida (Casa de Oswaldo Cruz /Fiocruz).

O jogo é do tipo ludo, onde as crianças são as peças fundamentais. É composto por uma lona de 20 m², cartas, dado gigante, marcador de tempo e comporta quatro grupos de jogadores. A faixa etária estimada é a partir de 8 anos. A atividade é uma batalha coletiva para que todos os participantes sejam vacinados e fiquem protegidos a tempo contra doenças. Além disso, existem outros objetivos complementares: conhecer algumas características do mundo microbiológico e entender a importância das vacinas na prevenção de doenças causadas por micro-organismos, como vírus e bactérias. A base é o calendário nacional de vacinação infantil, onde constam oito vacinas que protegem contra diversas doenças.

Como animação, foram criados muitos personagens: Microinimigos, Bio-Vacina, Vacilão, Micro Amiga, além da participação estilizada do Castelo Fiocruz e dos Postos do SUS. Um mediador comandará o jogo, além de fornecer informações extras sobre as vacinas, as doenças e suas consequências e algumas noções de higiene.

Para o diretor de Bio-Manguinhos, Artur Roberto Couto, a iniciativa visa difundir informações sobre vacinação para além dos centros urbanos. “Queremos sensibilizar jovens e crianças sobre a importância das vacinas, de acordo com o Calendário Nacional de Imunizações, reforçando o papel da Bio-Manguinhos/Fiocruz na promoção da saúde e cidadania”, reforçou.

Coordenador do projeto Ciência Móvel, o educador do Museu da Vida Marcus Soares ressalta o caráter coletivo do novo módulo a ser levado pelo caminhão da ciência: “O mais legal do Jogo das Vacinas é que ele é um desafio coletivo, com uma proposta educativa bem definida. Os grupos precisam se ajudar para que todos sejam vacinados e fiquem protegidos de várias doenças, como defende o programa nacional de imunização do Ministério da Saúde”, concluiu.

A região de Santa Cruz foi escolhida para o lançamento do jogo pela aproximação do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos com a população e órgãos locais. A unidade da Fiocruz está construindo na área o Novo Centro de Processamento Final (NCPFI), complexo que deve começar a operar em 2018, com capacidade para produzir até 600 milhões de doses de vacinas e frascos de biofármacos por ano.

A ação, aberta para estudantes, professores, educadores, profissionais de saúde, e toda a família, foi gratuita. Saiba mais sobre o Ciência Móvel.

Serviço
Projeto Ciência Móvel – Vida e Saúde para Todos
Local: Vila Olímpica Oscar Schmidt – Santa Cruz
Rua das Palmeiras Imperiais, 83
Abertura: 6 de maio às 14h. Até 9 de maio, às 16h. Grátis


Em sua primeira viagem de 2015 pelo Sudeste, o Ciência Móvel recebeu um público de quase 5 mil visitantes.



O Ciência Móvel recebeu um público de aproximadamente 5 mil pessoas em Volta Redonda! Foto: Paulo Colonese
A cidade de Volta Redonda, no Vale do Paraíba, recebeu as atividades do projeto "Ciência Móvel – Vida e Saúde para Todos" nos dias 7 a 10 de abril de 2015. No ginásio Poliesportivo Amaro Inácio, o público conferiu uma série de experimentos interativos que exploram fenômenos da ciência presentes no dia a dia e que despertam a curiosidade, fascinando os cientistas.

A equipe do Ciência Móvel levou módulos e atividades para um público de quase 5 mil pessoas! Algumas atividades são garantia de diversão e conhecimento, como a miniusina hidrelétrica, que mostra como a queda da água de um rio é convertida em energia elétrica, os modelos desmontáveis do ouvido e do olho humano, que permitem entender como o som e a luz viajam pelo interior desses órgãos, as câmaras escuras, que revelam segredos de nossa visão, e os tubos musicais!

No total, o Ciência Móvel já viajou por 77 cidades do Sudeste do país até 2015. Em nove anos de atividades voltadas à divulgação científica, recebeu público de mais de 650 mil pessoas. O projeto é fruto da parceria com a Fundação CECIERJ e Bio-Manguinhos, tem patrocínio da SANOFI, da IBM e apoio do CNPq/MCTI.



Atualizado em 10/04/2015

A mostra abordou o corpo na arte e na cultura africanas com exibição de cerca de 140 obras.


Foto: Peter Ilicciev
A exposição "O Corpo na Arte Africana" esteve em exibição na Estação Cabo Branco, em João Pessoa, na Paraíba, até 19 de janeiro de 2014. A mostra abordou o corpo na arte e na cultura africanas com exibição de cerca de 140 obras – entre esculturas, tecidos e máscaras – produzidas por 50 etnias do continente africano.

“O Corpo na Arte Africana” reuniu peças trazidas por pesquisadores da Fiocruz em missão no continente africano e está dividida em cinco módulos: “Corpo individual & Corpos múltiplos”; “Sexualidade & Maternidade”; “A modificação e a decoração do corpo”; “O corpo na decoração dos objetos”; e “Máscaras como manifestação cultural”. A mediação da exposição é realizada através das atividades lúdicas e educativas "Tesouros da África", que abordam a diversidade e identidade nas culturas africanas e sua influência nas culturas ocidentais.

Confira aqui mais informações sobre aexposição.

O Corpo na Arte Africana
Exposição gratuita

De 9 de novembro de 2013 a 19 de janeiro de 2014

Horário: de terça a sexta, das 9h às 21h; sábados e domingos, das 10h às 21h
Local: Estação Cabo Branco - Ciência, Cultura e Arte
Endereço: Av. João Cirilo Silva, s/n, no bairro do Altiplano, João Pessoa, Paraíba.
Mais informações pelos telefones (83) 3214-8303 / 3214-8270


Luisa Massarani foi responsável pela edição que reuniu artigos e reflexões sobre a divulgação científica.


A revista Public Understanding of Science (PUS) de janeiro de 2015 trouxe o especial "Voices from other lands", que reunia artigos e reflexões sobre a divulgação científica fora do eixo Europa e Estados Unidos.

A PUS é uma das principais revistas do mundo na área de comunicação da ciência e divulgação científica e, neste número especial, editado pela pesquisadora do Museu da Vida/Casa de Oswaldo Cruz Luisa Massarani, nove artigos abordam facetas distintas da divulgação científica (museus de ciência, mídia, relação dos cientistas com os meios de comunicação de massa, entre outras) em países da América Latina, África e Ásia.

A leitura dos artigos é livre para quem tem acesso ao Portal Capes. Para os demais usuários, o acesso à maior parte dos artigos é pago, mas pode-se ler gratuitamente os resumos em: http://pus.sagepub.com/content/current.

Publicado em 08/01/2014
Mostra abordou a química, seus conceitos, sua história e sua aplicação no cotidiano.


Devido ao sucesso de público, a exposição “Elementar - a química que faz o mundo”, que esteve no Museu da Vida de abril a outubro de 2011, teve temporada prorrogada no Museu Ciência e Vida, da Fundação Cecierj, até o final de 2013, em Duque de Caxias (RJ).

A química no cotidiano e sua história, que teve início como ciência no final do século 18, foi retratada na exposição em meio a atividades interativas, oficinas, painéis e brincadeiras que usavam os conceitos da química. Montada em 2011 em comemoração ao Ano Internacional da Química, criado pela Unesco, a mostra teve como destaque uma enorme tabela periódica composta por 118 pequenos cubos com informações sobre cada um dos elementos químicos. A exposição abordou ainda a importância dos conhecimentos de química na saúde e a relação dessa ciência com a sociedade de consumo.

Iniciativa do Museu da Vida, “Elementar – a química que faz o mundo” contou com apoio da Sociedade Brasileira de Química e parceria do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação/ Conselho Nacional para o Desenvolvimento de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da University of Nottingham, do Reino Unido. Confira mais informações sobre a exposição.

Elementar – a química que faz o mundo
Exposição gratuita
De 28 de novembro de 2012 a dezembro de 2013
Local: Museu Ciência e Vida
Horários: de terça a sábado, das 9h às 17h; domingos e feriados, das 13h às 17h.
Endereço: Rua Aílton da Costa, s/nº - 25 de Agosto - Duque de Caxias.
Mais informações: agendamento escolar ou de grupos com mais de 15 integrantes pelo telefone (21) 2671-7797
A proposta de "Vias do Coração" foi incentivar a prevenção de problemas cardiovasculares;

Divulgar informações sobre o coração e estimular a prevenção de doenças cardiovasculares é o que busca a exposição "Vias do Coraçã"o, que esteve em cartaz de outubro a dezembro de 2013 no Museu de Ciências e Tecnologia da PUCRS, em Porto Alegre. A mostra, criada em 2008 e visitada por cerca de 90 mil pessoas em cinco anos, integra o acervo do Ciência Móvel - Vida e Saúde para Todos, do Museu da Vida.

Inspirada em modelos adotados por museus internacionais de ciências e estruturada em dez estações, a exposição trazia jogos eletrônicos, painéis, vídeos, bancadas de microscópios e modelos anatômicos. A mostra abordou a anatomia e o funcionamento do coração, o sistema circulatório, os principais elementos constituintes do sangue e fatores de risco à saúde do coração, como hipertensão e diabetes.

Durante o percurso, crianças e adultos se divertiram calculando quantas vezes seu coração já bateu desde o nascimento ou conferiram como se comporta a pressão arterial em várias situações do dia-a-dia. Os visitantes também puderam interagir com um coração gigante, criado pelo escultor Gil Verx. Ao se aproximar da escultura, era possível ouvir o som ampliado de batimentos cardíacos em diferentes frequências.

A exposição tinha uma parte voltada especialmente para tratar da prevenção, controle e consequências do diabetes. Nesta seção, havia um modelo interativo que mostrava o impacto do diabetes no corpo humano e um prato gigante, também criado pelo escultor Gil Verx, com objetivo de orientar as crianças a compor refeições saudáveis e equilibradas, entre outras atividades.

A mostra oferecia ainda material de apoio para professores e estudantes da área da saúde, com a disponibilização de ilustrações e imagens exclusivas do coração e de suas estruturas para download gratuito.

"Vias do Coração" foi uma realização conjunta entre o Museu da Vida/Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz e a Sanofi.

Exposição Vias do Coração

De 11 de outubro a 15 de dezembro de 2013

Horário: terças, quintas e sextas, das 9h às 17h; quartas, das 9h às 21h; sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h.
Local: Museu de Ciências e Tecnologia da PUCRS
Endereço: Av. Ipiranga, 6681 - Partenon - Porto Alegre/RS
Contato para agendamento de grupos: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. A entrada custa R$16 (público em geral) e R$12,50 (promocional para crianças de 3 a 12 anos, pessoas acima de 60 anos, estudantes, professores e diplomados da PUCRS).

Atualizado em 16/12/2013

Link para o site Invivo
link para o site do explorador mirim
link para o site brasiliana

funcionamento terça a sexta-feira: 9-16h30, sábados: 10h-16h

agendamento de visitas 55 21 2590-6747

Fiocruz, Av. Brasil, 4365 - Manguinhos, Rio de Janeiro| CEP: 21040-900

Copyright © Museu da vida | Casa de Oswaldo Cruz | Fiocruz

museudavida@fiocruz.br

Assessoria de imprensa: divulgacao@coc.fiocruz.br.

O Museu da Vida faz parte de:

abcmc astc redpop ecsite icom

Amigos do Museu da Vida: uma rede de Saúde, ciência e cultura

patrocínio master

ibm Nova Rio conheça