Ir para o conteúdo
Desde 2009, a equipe do Ciência em Cena promove um cineclube com sessões gratuitas para os nossos visitantes, nas quais são exibidos filmes científicos e realizados debates. É o Cine-ciência com Pipoca, que nos sábados de abril de 2012 apresentou três títulos exibidos em sequência.
As sessões gratuitas foram realizadas no Epidauro. Após os filmes, os espectadores foram convidados a descobrir um pouco mais sobre seus temas, com a galeria fotográfica “Detalhes tão pequenos de mosquitos”, que apresentou imagens do Aedes aegypti.

Conheça abaixo a programação para abril de 2012 do Cine-ciência com Pipoca:

O mundo macro e micro do mosquito Aedes aegypti – Para combatê-lo é preciso conhecê-lo –
Documentário – Direção: Genilton Vieira – 2006 – 25 min – Setor de Produção e Tratamento de Imagem do Instituto Oswaldo Cruz (IOC)
O documentário é uma ferramenta para a difusão de conhecimentos sobre a dengue e seu vetor. Composto por imagens reais e virtuais que descrevem o ciclo de vida do mosquito, o filme alerta para a necessidade do controle de criadouros do Aedes aegypti.

Aedes aegypti e Aedes albopictus – Uma ameaça nos trópicos –
Documentário – Direção: Genilton Vieira – 2009 – 30 min – Setor de Produção e Tratamento de Imagem do Instituto Oswaldo Cruz (IOC)
O documentário sobre os transmissores da dengue é composto de imagens reais e virtuais dos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus, mostrando seus continentes de origem, sua dispersão pelo mundo, suas características morfológicas, seus hábitos alimentares, seus mecanismos de alimentação, sua reprodução e o ambiente em que vivem.

Triatomíneos: O elo de uma enfermidade –
Documentário – Direção: Genilton Vieira – 2011 – 40 min – Setor de Produção e Tratamento de Imagem do Instituto Oswaldo Cruz (IOC)
O documentário apresenta as principais espécies de triatomíneos relacionadas à transmissão da doença de Chagas. Embora a transmissão vetorial desse mal só ocorra no continente americano, a produção alerta para a presença dos insetos vetores em países de outros continentes e sua adaptação aos domicílios de países da Ásia.
Depois de avaliar as contribuições de quase 200 candidatos, o comitê de seleção do concurso "A química através da câmera" chegou às fotografias e aos vídeos vencedores. O prêmio foi parte das comemorações do Ano Internacional da Química, numa parceria entre o Museu da Vida/Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz, a Sociedade Brasileira de Química, o Museu de Ciências e Tecnologia da PUCRS, o Catavento Cultural, o Museu Paraense Emilio Goeldi, o MEC e o CNPq/MCTI.

O principal objetivo do concurso foi chamar a atenção para a relevância da química no dia a dia das sociedades e para a sua importância na construção de um mundo sustentável. A escolha não foi fácil: foram 247 fotografias e 19 vídeos na disputa por um lugar entre os três vencedores de cada categoria.

O concurso contemplou jovens de 14 a 25 anos, vindos de todas as regiões do país. Marcaram presença os estados do Acre, de Alagoas, do Amapá, da Bahia, do Ceará, Mato Grosso do Sul, Maranhão, de Minas Gerais, do Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, de Rondônia, Santa Catarina e São Paulo. Os participantes puderam concorrer enviando até três fotografias (para a modalidade "A química num instante") e somente um vídeo, com a duração máxima de um minuto (para a modalidade "A química em movimento").

O primeiro colocado de cada categoria ganha uma viagem para conhecer espaços de ciência no Brasil, que pode ser rumo ao Museu da Vida e Jardim Botânico do Rio de Janeiro, no Rio de Janeiro (RJ); ao Museu de Ciências e Tecnologia da PUCRS e Planetário da UFRGS, em Porto Alegre (RS); ao Museu Paraense Emilio Goeldi, em Belém (PA); e ao Estação Ciência, Catavento Cultural e Instituto Butantan, em São Paulo (SP). Já o segundo e o terceiro colocados levam para casa um kit “Química”, com livros e DVD.
Conheça abaixo os vencedores do concurso "A química através da câmera":

Categoria "A química num instante" (fotografia)

Primeiro lugar: Roberto Henrique da Silva Lima (do Maranhão)

Segundo lugar: Thais Spínola Afonseca (do Rio de Janeiro)

Terceiro lugar: Taylana Piccinini Scolaro (de Santa Catarina)

Categoria "A química em movimento" (vídeo)

Primeiro Lugar: Késia Filadélfia Dionízio Silva (de Alagoas)

Segundo lugar: Janssen David de Oliveira Brogio (de Minas Gerais)

Terceiro lugar: Nathalia Moraes de Ataídes (do Mato Grosso do Sul)

Clicando aqui, você vê no nosso Flickr uma galeria com as fotos vencedoras e as demais finalistas do concurso. No nosso canal do YouTube, você pode assistir aos vídeos que chegaram à reta final da competição. Clique aqui para vê-los.

Agradecemos a participação de todos os concorrentes e desejamos parabéns aos ganhadores, com quem a equipe do Museu da Vida entrará em contato.
De abril a outubro de 2011, a exposição “Elementar – a química que faz o mundo” recebeu cerca de 10 mil visitantes na sala de exposições do Museu da Vida. Pouco depois, a exposição comemorativa pelo Ano Internacional da Química fez sua primeira viagem e inaugurou uma nova temporada no dia 19 de outubro, dessa vez na Universidade Federal de Roraima, em Boa Vista (capital do estado). A iniciativa foi do Departamento de Química da universidade, em conjunto com a Regional Roraima da Sociedade Brasileira de Química.

Até 2 de dezembro, a exposição esteve aberta aos visitantes do auditório do Centro de Ciências Administrativas e Jurídicas – CECAJ. Ela ocupou 250 metros quadrados de área com painéis, módulos interativos, atividade com novas tecnologias e uma bancada para experiências, desenvolvidas pela equipe do Museu da Vida, em parceria com a Sociedade Brasileira de Química. Saiba mais sobre a exposição “Elementar – a química que faz o mundo” e sua temporada no Museu da Vida clicando aqui.
O Museu da Vida realizou em 19 de outubro de 2011 um lançamento duplo: foram os livros "Afinal, o que houve com meu corpo?" e "Oswaldo e seu castelo", primeiro e segundo volumes da série "Histórias do Museu da Vida". Ambos os livros são voltados para o público infantil e nasceram de "contações" de histórias realizadas por Monique Ramos e Claudia Oliveira, respectivamente. As publicações trazem fotografias das "contadoras", vestindo as túnicas de cujos bolsos saem elementos que compõem cada narrativa.
"Afinal, o que houve com meu corpo?", escrito por Carla Almeida, Hilda Gomes e Claudia Oliveira, mostra a busca de uma menina por dentro de si mesma para a causa de seu mal-estar. O livro é parte do projeto "Ciência para pequenos curiosos - um espaço de popularização científica para crianças", parceria entre o Museu da Vida/Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz e o Instituto de Ciências Biomédicas da UFRJ, com apoio da Faperj.


A publicação nasceu de uma "contação" de histórias de mesmo título, parte das atividades da exposição "Uma aventura pelo corpo humano". Quem veio ao lançamento foi convidado a visitar a exposição e conferir a narrativa ao vivo.

Já "Oswaldo e seu castelo", escrito por Claudia Oliveira, revela a trajetória do cientista Oswaldo Cruz e do nascimento do Castelo Mourisco, cartão-postal do campus da Fiocruz. O livro é uma adaptação de "Avental de História", atividade da equipe do Passado e Presente para os pequenos visitantes desse belo e fascinante espaço.

Clique aqui e veja fotografias do lançamento no nosso Flickr.
Voltada para crianças de cinco a oito anos, a exposição gratuita "Aventura pelo corpo humano" retornou ao Museu da Vida dia 14 de outubro de 2011 e ficou em cartaz até 31 de janeiro de 2012, oferecendo aos visitantes a chance de descobrir como funcionam nossos órgãos e sistemas. Ela faz parte do projeto "Ciência para pequenos curiosos", uma parceria entre o Museu da Vida/COC/Fiocruz e o Instituto de Ciências Biomédicas da UFRJ, com apoio da Faperj. Itinerante, o conjunto de atividades já havia recebido mais de 13 mil visitantes durante suas viagens pelo Rio de Janeiro, até o encerramento dessa temporada na sala de exposições do Museu.

"Aventura pelo corpo humano" foi inaugurada na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia de 2010, no Aterro do Flamengo. A partir daí, as atrações foram em março e abril de 2011 para o Museu Ciência e Vida, em Duque de Caxias; estiveram em junho no Centro Cultural de Ação da Cidadania, na Gamboa (durante a Feira Faperj de Ciência, Tecnologia e Inovação) e ficaram em julho no Museu da Vida. Em setembro, passaram pela Universidade Moacyr Bastos, em Campo Grande, e pela Mostra de Ciências da Creche Fiocruz.

Confira abaixo as atividades de que o público pôde participar:


Foto: Luanda Lima
Por dentro do nariz

De olhos vendados, os visitantes entram num nariz-caverna e sentem as substâncias que habitam o interior do nosso nariz. Para que servem essas coisas nojentas?

Túnica contadora de história / Afinal, o que houve com meu corpo?

Um belo dia, o corpo acordou sentindo uma coisa estranha. Afinal, o que aconteceu? A túnica contadora de histórias desafia o visitante a descobrir.

Modelando o cérebro

Adivinhar de que animais são alguns modelos de cérebro e entender suas semelhanças e diferenças, conhecer o cérebro humano e personalizar um minicérebro feito em gesso para levar para casa são alguns destaques desta oficina.


Belezas do interior

O visitante é convidado a customizar livremente os cartões-postais da exposição enquanto observa, em um espaço relaxante, imagens microscópicas do interior do corpo humano.


Foto: Luanda Lima
Lounge de pernas pro ar

Espaço relaxante com pufes a almofadas para as crianças e seus acompanhantes descansarem entre as atividades.


Esqueleto Sabichão

Por que temos um esqueleto? Ao interagir com o Esqueleto Sabichão, a criança é convidada a descobrir por que ficamos de pé, nos movimentamos e ainda como nossos órgãos ficam protegidos.


Bate, coração!

Com um boneco de 1,30m de altura, os visitantes descobrem o que acontece com o nosso corpo depois que o coração bate.


Quebra-cabeça dos órgãos

Aqui os visitantes podem manipular réplicas de órgãos humanos para conferir como essas estruturas se organizam dentro de nós.


Túnel dos sistemas

Para saber como são os sistemas do corpo humano, o público é desafiado a colocar o rosto dentro de uma caixa-surpresa.


Foto: Luanda Lima
Boneca russa humana

Com a ajuda de uma boneca do tamanho de uma criança de cinco anos, o visitante descobre o que temos por baixo da pele e por que podemos ficar de pé.

Haja estômago!

O que acontece com a comida depois que a colocamos na boca? Nessa atividade interativa, participe de um bate-papo sobre comida e digestão e descubra como é o percurso da comida pelo interior do corpo.

Semelhanças e diferenças

Manipulando modelos de corações e cérebros humanos e animais em tamanhos reais, os visitantes são convidados a observar e tentar identificar suas principais semelhanças e diferenças e a refletir sobre elas.
Os Contadores de Histórias do Museu da Vida apresentaram, no sábado, dia 17 de setembro, o tema "Nascimento", escolhido a partir da temática da exposição "Nascer: um fenômeno comum a todos, uma experiência única para cada ser".
 
Os visitantes ouviram histórias envolventes e divertidas sobre o ato de dar à luz, e participaram do bate-papo "O parir e o nascer: olhares sobre a mulher e o bebê no momento do nascimento", com o enfermeiro Paulo São Bento do Instituto Fernandes Figueira / Fiocruz.
 
O acervo da Biblioteca móvel também esteve disponível e o público pôde ler outras histórias sobre o tema.
 
O evento foi realizado às 11 h, na Tenda da Ciência do Museu da Vida, aqui na Fiocruz. A atividade ocorre sempre no terceiro sábado de cada mês e é gratuita.
 
Veja aqui a programação detalhada.
 
Mais informações pelo telefone (21) 2590-6747
E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
 São Luiz do Paraitinga, município do Estado de São Paulo onde nasceu o sanitarista Oswaldo Cruz em 5 de agosto de 1872, reserva atrações especiais para seus moradores e visitantes nesta semana, de 2 a 5 de agosto de 2011. A programação montada pela prefeitura se concentra na praça Dr. Osvaldo Cruz, centro da cidade, atravessando todo o dia com exibição de filmes sobre saúde e shows de música, atividades laborais, oficinas, passeios e palestras.  A Fiocruz, em homenagem a seu patrono e também motivada pelo Dia Nacional da Saúde (05/08), se fará presente com o projeto Ciência Móvel – Vida e Saúde para Todos.
 
Desde 2006, um público estimado em mais de 350 mil pessoas conheceu as várias atividades desenvolvidas por este verdadeiro museu itinerante, que percorre cidades do Sudeste visando contribuir para a inclusão social das populações, bem como para a melhoria do ensino de ciências na região. O caminhão estaciona na cidade paulista para apresentar as seguintes atrações interativas: Exposição Dengue, Girotech (formado por três anéis que giram livremente em todas as direções e simula exercícios feitos pelos astronautas da Nasa), Pilha humana, Bicicleta Geradora, Casa Maquete, Mini-usina, Ilusões de Ótica, Microscopia, Painel Solar, Espelhos Sonoros, Tubos Musicais e Modelos 3D.
 
Só em 2010 cerca de 70 mil visitantes compareceram aos locais visitados para conferir essas e outras atividades levadas pelo Ciência Móvel, coordenado pelo Museu da Vida, departamento da Casa de Oswaldo Cruz, uma das unidades técnico-científicas da Fiocruz, em parceria com a Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro (Cecierj) e patrocinado pela sanofi-aventis.
 
Serviço:
Data da visita: 2 a 5 de agosto de 2011.
Horário de atendimento: 8h30 às 12h e de 13h30 às 17h (exceto na sexta, que encerrará às 13h)
Local do evento: Praça Dr. Osvaldo Cruz, Centro, São Luiz do Paraitinga
Com mais de 350 mil pessoas atendidas desde o seu lançamento, em 2006, o projeto Ciência Móvel – Vida e Saúde para Todos chegou ao campus da Universidade Federal de Viçosa (UFV) no município de Florestal, em Minas Gerais. A cidade está a aproximadamente 70 quilômetros de Belo Horizonte e tem pouco mais de 6,6 mil habitantes, segundo o IBGE. Nesta viagem, entre os dias 11 e 13 de maio, foram apresentadas várias atividades, incluindo jogos, equipamentos interativos, multimídias e oficinas.
 
No município mineiro, o museu itinerante foi a novidade da Mostra de Profissões, evento organizado há dois anos pela universidade para estudantes do ensino médio. Houve palestras, conversas informais e visitas a laboratórios com objetivo de ajudar o estudante a conhecer mais de perto cada profissão.
 
O projeto Ciência Móvel é coordenado pelo Museu da Vida, departamento da Casa de Oswaldo Cruz, unidade técnico-científica da Fiocruz, em parceria com a Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro (Cecierj) e patrocinado pela Sanofi-aventis. O caminhão tem 13,5 metros de comprimento e leva em suas visitas às cidades – da região Sudeste - uma série de atrações do mundo da ciência como o Gyrotec - composto por três anéis que giram livremente em todas as direções e simula exercícios feitos pelos astronautas -, as mostras Energia e Mini-Darwin, as bancadas de microscopia e vídeos científicos. No ano passado, cerca de 70 mil visitantes conheceram essas e outras atividades do caminhão itinerante, visando contribuir para a inclusão social das populações e a melhoria do ensino de ciências.
Link para o site Invivo
link para o site do explorador mirim
link para o site brasiliana

funcionamento terça a sexta-feira: 9-16h30, sábados: 10h-16h

agendamento de visitas 55 21 2590-6747

Fiocruz, Av. Brasil, 4365 - Manguinhos, Rio de Janeiro| CEP: 21040-900

Copyright © Museu da vida | Casa de Oswaldo Cruz | Fiocruz

museudavida@fiocruz.br

Assessoria de imprensa: divulgacao@coc.fiocruz.br.

O Museu da Vida faz parte de:

abcmc astc redpop ecsite icom

Amigos do Museu da Vida: uma rede de Saúde, ciência e cultura

patrocínio master

ibm Johnson & Johnson Nova Rio conheça